» 
Arabic Bulgarian Chinese Croatian Czech Danish Dutch English Estonian Finnish French German Greek Hebrew Hindi Hungarian Icelandic Indonesian Italian Japanese Korean Latvian Lithuanian Malagasy Norwegian Persian Polish Portuguese Romanian Russian Serbian Slovak Slovenian Spanish Swedish Thai Turkish Vietnamese
Arabic Bulgarian Chinese Croatian Czech Danish Dutch English Estonian Finnish French German Greek Hebrew Hindi Hungarian Icelandic Indonesian Italian Japanese Korean Latvian Lithuanian Malagasy Norwegian Persian Polish Portuguese Romanian Russian Serbian Slovak Slovenian Spanish Swedish Thai Turkish Vietnamese

definition - estados unidos

definition of Wikipedia

   Advertizing ▼

synonyms - estados unidos

see also - estados unidos

   Advertizing ▼

analogical dictionary

Estados Unidos


Estados Unidos (n.)


Estados Unidos (n.)



Wikipedia

Estados Unidos

                   
United States of America
Estados Unidos da América
Bandeira dos Estados Unidos
Grande Selo dos Estados Unidos
Bandeira Grande Selo
Lema:
E Pluribus Unum (latim, "De Muitos, Um") (1776–)
In God We Trust (inglês, "Em Deus Confiamos") (1956–)
Hino nacional: The Star-Spangled Banner
 
noicon.
Gentílico: estadunidense, americano(a), norte-americano(a), estado-unidense e ianque[1][2]

Localização de Estados Unidos da América

Localização dos Estados Unidos no mundo
Capital Washington, D.C.
Cidade mais populosa Nova Iorque
Língua oficial Nenhuma em nível federal.[nota 1]
Governo República federal presidencialista
 - Presidente Barack Obama
 - Vice-presidente Joe Biden
 - Presidente da Câmara dos Representantes John Boehner
 - Presidente do Supremo Tribunal John Roberts
Independência do Reino da Grã-Bretanha 
 - Declarada 4 de julho de 1776 (235 anos
 - Reconhecida 3 de setembro de 1783 (228 anos
 - Constituição atual 21 de junho de 1788 
Área  
 - Total 9 372 610 km² (4.º)
 - Água (%) 6,76
 Fronteira Canadá e México
População  
 - Censo 2010 308 745 538 hab. 
 - Densidade 33 hab./km² (143.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 15,065 trilhões*[5] (1.º)
 - Per capita US$ 48.147[5] (8.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 15,065 trilhões* USD[5] (1.º)
 - Per capita US$ 48.147 USD[5] (15.º)
Indicadores sociais
 - Gini (2007) 46,3 [6]
 - IDH (2011) 0,910 (4.º) – muito elevado[7]
 - Esper. de vida 78,2 anos (38.º)
 - Mort. infantil 6,3/mil nasc. (33.º)
 - Alfabetização 99,0% (19.º)
Moeda Dólar estadunidense (USD)
Fuso horário (UTC-5 a -10)
Cód. ISO USA
Cód. Internet .us, .gov, .mil
Cód. telef. +1
Website governamental www.usa.gov

Mapa de Estados Unidos da América

Estados Unidos da América (em inglês: United States of America; [juːˈnaɪ.təd ˈsteɪʦ əv əˈmɛ.ɻɪ.kə]), ou simplesmente Estados Unidos (em inglês: United States; AFI[juːˈnaɪ.təd ˈsteɪʦ]), são uma república constitucional federal composta por cinquenta estados e um distrito federal. A maior parte do país situa-se na região central da América do Norte, formada por 48 estados e Washington, D.C., o distrito federal da capital. Localiza-se entre os oceanos Pacífico e Atlântico, fazendo fronteira com o Canadá a norte e com o México a sul. O estado do Alasca está no noroeste do continente, fazendo fronteira com o Canadá no leste e com a Rússia a oeste, através do estreito de Bering. O estado do Havaí é um arquipélago no Pacífico Central. O país também possui vários outros territórios no Caribe e no Pacífico.

Com 9,37 milhões de km² de área e cerca de 309 milhões de habitantes, os Estados Unidos são o quarto maior país em área total, o quinto maior em área contínua e o terceiro em população. O país é uma das nações mais multiculturais e etnicamente diversas do mundo, produto da forte imigração vinda de muitos países.[8] A economia dos Estados Unidos é a maior economia nacional do mundo, com um produto interno bruto que em 2008 foi de 14,2 trilhões de dólares, o que foi equivalente a um quarto do valor do PIB nominal mundial e um quinto do PIB mundial por paridade do poder de compra.[9][nota 2]

Os povos indígenas, provavelmente de origem asiática, habitam o que é hoje o território dos Estados Unidos desde há muitos milhares de anos. Esta população nativa americana foi muito reduzida após o contato com os europeus devido a doenças e guerras. Os Estados Unidos foram fundados pelas treze colônias do Império Britânico localizadas ao longo da costa atlântica do país. Em 4 de julho de 1776, foi emitida a Declaração de Independência, que proclamou o seu direito à autodeterminação e a criação de uma união cooperativa. Os estados rebeldes derrotaram a Grã-Bretanha na Guerra Revolucionária Americana, a primeira guerra colonial bem sucedida da Idade Contemporânea.[10] A Convenção de Filadélfia aprovou a atual Constituição dos Estados Unidos em 17 de setembro de 1787; sua ratificação no ano seguinte tornou os estados parte de uma única república com um forte governo central. A Carta dos Direitos, composta por dez emendas constitucionais que garantem vários direitos civis e liberdades fundamentais, foi ratificada em 1791.

No século XIX, os Estados Unidos deslocaram as tribos nativas, adquiriram o território da Luisiana da França, a Flórida da Espanha, parte do território do Oregon do Reino Unido, Alta Califórnia e Novo México do México e o Alasca da Rússia, e anexaram a República do Texas e a República do Havaí. Os litígios entre o sul agrário e o norte industrializado do país sobre os direitos dos estados e sobre a expansão da instituição da escravatura, provocaram a Guerra de Secessão, que decorreu entre 1861 e 1865. A vitória do Norte impediu a separação do país e levou ao fim da escravidão legal nos Estados Unidos. Na década de 1870, a economia do país tornou-se a maior do mundo.[11] A Guerra Hispano-Americana e a Primeira Guerra Mundial confirmaram o estatuto do país como uma potência militar. A nação emergiu da Segunda Guerra Mundial como o primeiro país com armas nucleares e como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O fim da Guerra Fria e a dissolução da União Soviética deixaram os Estados Unidos como a única superpotência restante no planeta. O país responde por 41% dos gastos militares do mundo[12] e é um forte líder econômico, político e cultural no planeta.[13]

Índice

Etimologia

Em 1510, o cartógrafo alemão Martin Waldseemüller elaborou um planisfério, onde denominou as terras do hemisfério ocidental de "América", em honra ao cartógrafo italiano Américo Vespúcio.[14] As antigas colônias britânicas usaram pela primeira vez o nome do país moderno na Declaração de Independência — "unânime declaração de independência dos Estados Unidos da América", adotada pelos "representantes dos Estados Unidos da América", em 4 de julho de 1776.[15] Seu nome atual foi formalmente adotado em 15 de novembro de 1777, quando o Segundo Congresso Continental aprovou os Artigos da Confederação, que estipulavam "O nome desta confederação será Estados Unidos da América"[16]. A forma "Estados Unidos" também é padronizada; outra forma comum é EUA. "Colúmbia", derivado do nome de Cristóvão Colombo, em tempos um nome popular para os Estados Unidos, ainda permanece no nome distrito de Colúmbia.[17][18] Ocasionalmente o país é referido de forma incorreta como Estados Unidos da América do Norte.[19] Na escrita, também é comum o uso das abreviaturas EUA, US ou USA.[20]

As formas padrão para se referir a um cidadão dos Estados Unidos são estadunidense (ou estado-unidense)[21][2], "americano" ou "norte-americano".[22] Também é utilizado o adjetivo "ianque" (do inglês yankee).[1][23] Originalmente e em sentido estrito, yankee é um habitantes da região de Nova Inglaterra, mas o uso generalizou-se, passando a designar todos os nativos dos estados do Norte; pode ainda designar especificamente os soldados nortistas durante a Guerra da Secessão ou, mais genericamente, qualquer nativo dos Estados Unidos.[24]

História

Nativos americanos e colonos europeus

Acredita-se que os povos indígenas dos Estados Unidos continentais, incluindo os nativos do Alasca, emigraram da Ásia. Eles começaram a chegar há 12 ou 40 milênios, senão antes.[25] Alguns, como a cultura mississippiana pré-colombiana, desenvolveram agricultura avançada, arquitetura grandiosa e as sociedades estaduais. Mais tarde os europeus começaram a colonização das Américas, muitos milhões de indígenas americanos morreram de epidemias de doenças importadas, como a varíola.[26]

  O Mayflower transportou os "peregrinos" para o Novo Mundo, em 1620.

Em 1492, o explorador Cristóvão Colombo sob contrato com a coroa espanhola chegou a várias ilhas do Caribe, fazendo o primeiro contato com os povos indígenas.[27] Em 2 de abril de 1513, o conquistador espanhol Juan Ponce de León desembarcou em o que ele chamou de "La Florida" — a primeira visita europeia documentada no que viria a ser os Estados Unidos Continentais.[28][29][30] Às colônias espanholas na Flórida seguiram-se outras no que é hoje o sudoeste dos Estados Unidos, que atraíram milhares de colonos através do México. Os comerciantes de peles franceses estabeleceram postos da Nova França em torno dos Grandes Lagos;[31] a França acabou por reivindicar a maior parte do interior da América do Norte até o Golfo do México. O primeiro assentamento inglês bem sucedido foi a Colônia da Virgínia em Jamestown, em 1607, e a Colônia de Plymouth, dos chamados Peregrinos (em inglês: Pilgrim Fathers [pais peregrinos] ou simplesmente Pilgrims), em 1620.[32] O fretamento de 1628 da Colônia da Baía de Massachusetts resultou em uma onda de migração; por volta de 1634, a Nova Inglaterra tinha sido povoada por cerca de 10 000 puritanos. Entre o final dos anos 1610 e a Revolução Americana, cerca de 50 000 prisioneiros foram enviados para as colônias americanas da Grã-Bretanha.[33] A partir de 1614, os holandeses se estabeleceram ao longo do rio Hudson, nomeadamente na colônia de Nova Amsterdã na ilha de Manhattan.[34]

Em 1674, os holandeses cederam seu território norte-americano à Inglaterra; a província da Nova Holanda foi renomeada para Nova Iorque. Muitos dos novos imigrantes, especialmente do Sul (cerca de dois terços de todos os imigrantes da Virgínia) foram contratados como trabalhadores temporários entre 1630 e 1680.[35] A partir do final do século XVII, os escravos africanos foram se tornando a principal fonte de trabalho forçado. Com a divisão das Carolinas em 1729 e a colonização da Geórgia em 1732, foram estabelecidas as treze colônias britânicas que se tornariam os Estados Unidos.[36][37] Todas contavam com um governo local eleito, estimulando o apoio ao republicanismo. Todas as colônias legalizaram o comércio de escravos africanos.[38] Com taxas de natalidade altas, taxas de mortalidade baixas e imigração constante, a população colonial cresceu rapidamente. O movimento cristão revivalista das décadas de 1730 e 1740, conhecido como o Grande Despertar, incentivou o interesse na religião e na liberdade religiosa.[39] Durante a Guerra Franco-Indígena, as forças britânicas tomaram o Canadá dos franceses, mas a população francófona permaneceu isolada política e geograficamente das colônias do sul.[40] À exceção dos nativos americanos (popularmente conhecidos como "índios americanos"), que estavam sendo deslocados, as treze colônias tinham uma população de 2,6 milhões de habitantes em 1770, cerca de um terço da Grã-Bretanha; cerca de um em cada cinco norte-americanos eram escravos negros.[41] Embora sujeitos aos impostos britânicos, os colonos americanos não tinham representação no Parlamento da Grã-Bretanha.[42]

Independência e expansão

As tensões entre colonos americanos e os britânicos durante o período revolucionário dos anos 1770 e início dos anos 1760 levaram à Guerra Revolucionária Americana, travada de 1775 até 1781. Em 14 de junho de 1775, o Congresso Continental, em convocação na Filadélfia, criou um Exército Continental sob o comando de George Washington. Proclamando que "todos os homens são criados iguais e dotados de certos direitos inalienáveis", em 4 de julho de 1776 o Congresso aprovou a Declaração de Independência, redigida em grande parte por Thomas Jefferson.[43] Essa data é hoje comemorada como o Dia da Independência dos Estados Unidos. Em 1777, os Artigos da Confederação estabeleceram um fraco governo confederado que operou até 1789.[44]

Após a derrota britânica por forças americanas apoiadas pelos franceses, na Batalha de Yorktown, a Grã-Bretanha reconheceu a independência dos Estados Unidos e a soberania dos estados sobre o território americano a oeste do rio Mississippi.[45] Uma convenção constitucional foi organizada em 1787 por aqueles que desejavam estabelecer um governo nacional forte, com poderes de tributação. A Constituição dos Estados Unidos foi ratificada em 1788. Em 1789 tomaram posse o primeiro Senado e primeiro presidente (George Washington) da Nova República.[44] Em 1791 foi adotada a Bill of Rights (Declaração dos Direitos dos Cidadãos), que proíbe restrições federais das liberdades pessoais e garante uma série de proteções legais.[46]

As atitudes em relação à escravidão foram sendo alteradas; uma cláusula na Constituição protegia o comércio de escravos africanos apenas até 1808. Os estados do Norte aboliram a escravidão entre 1780 e 1804, deixando os estados escravistas do Sul como defensores dessa "instituição peculiar".[45] O Segundo Grande Despertar, iniciado por volta de 1800, fez do evangelicalismo uma força por detrás de vários movimentos de reforma social, entre as quais o abolicionismo.[47]

  Aquisições territoriais estadunidenses por data.

A ânsia estadunidense de expansão para o oeste levou a uma longa série de Guerras Indígenas e ao genocídio dos indígenas. A compra da Louisiana, o território francês a sul, sob a presidência de Thomas Jefferson em 1803, quase duplicou o tamanho da nação.[48] A Guerra de 1812, travada contra a Grã-Bretanha acabou num empate, reforçando o nacionalismo estadunidense. Uma série de incursões militares estadunidenses na Flórida levaram a Espanha a ceder esse e outros territórios na Costa do Golfo do México em 1819.[48] A Trilha das Lágrimas em 1830 exemplificou a política de remoção dos índios, que retirava os povos indígenas de suas terras. Os Estados Unidos anexaram a República do Texas, em 1845. O conceito de "Destino Manifesto" foi popularizado durante essa época.[49] O Tratado de Oregon, assinado com a Grã-Bretanha em 1846, levou ao controle estadunidense do atual Noroeste dos Estados Unidos.[48] A vitória estadunidense na Guerra Mexicano-Americana resultou na cessão da Califórnia e de grande parte do atual Sudoeste dos Estados Unidos em 1848.[48] A Corrida do ouro na Califórnia de 1848-1849 estimulou a migração ocidental. As ferrovias entretanto construídas tornaram a deslocalização mais fácil para os colonos e provocaram o aumento dos conflitos com os nativos americanos. Depois de meio século, até 40 milhões de bisões americanos foram abatidos para peles e carne e para facilitar a disseminação do transporte ferroviário. A perda do bisão, um recurso fundamental para os Índios das Planícies, constituiu rude golpe para a subsistência de muitas culturas nativas.[50]

Guerra civil e industrialização

As tensões entre os estados ditos livres e os estados escravistas tiveram origem sobretudo em argumentos sobre a relação entre os governos estadual e federal e em conflitos violentos acerca da propagação da escravidão em novos estados. Abraham Lincoln, candidato do Partido Republicano, em grande parte abolicionista, foi eleito presidente em 1860.[51][52] Antes da sua tomada de posse, sete estados escravistas declararam sua secessão, o que o governo federal sempre considerou ilegal, e formaram os Estados Confederados da América. Com o ataque confederado em Fort Sumter, a Guerra de Secessão começou, e mais quatro estados escravistas aderiram à Confederação. A Proclamação da Emancipação de Lincoln, em 1863, declarou livres os escravos da Confederação. Após a vitória da União em 1865, três emendas à Constituição estadunidense garantiam a liberdade para quase quatro milhões de afro-americanos que tinham sido escravos,[53] fizeram-nos cidadãos e lhes deram direito ao voto. A guerra e a sua resolução levaram a um aumento substancial do poder federal.[54]

  Imigrantes em Ellis Island, Porto de Nova York, 1902.

Após a guerra, o assassinato de Lincoln radicalizou as políticas republicanas da Reconstrução na reinserção e reconstrução dos estados do sul, assegurando os direitos dos escravos recém-libertos. A resolução da disputada eleição presidencial de 1876 pelo compromisso de 1877 terminou a Reconstrução; as Leis de Jim Crow iniciaram um período de perseguição ao afro-americanos.[55] No Norte, a urbanização e um afluxo de imigrantes sem precedentes da Europa meridional e oriental apressou a industrialização do país. A onda de imigração, que durou até 1929, proveu trabalho e transformou a cultura estadunidense. O desenvolvimento da infraestrutura nacional estimulou o crescimento econômico. A compra do Alasca à Rússia em 1867 completou a expansão continental do país.[48] O massacre de Wounded Knee, em 1890, foi o último grande conflito armado das Guerras Indígenas. Em 1893, a monarquia indígena do Reino do Havaí do Pacífico foi derrubada em um golpe liderado por residentes estadunidenses; os Estados Unidos anexaram o arquipélago em 1898. A vitória no mesmo ano da Guerra Hispano-Americana demonstrou que os Estados Unidos eram uma grande potência mundial e levou à anexação de Porto Rico, Guam e as Filipinas.[56][57] As Filipinas conquistaram a independência meio século depois,[58][59][60] Porto Rico e Guam permanecem como territórios estadunidenses.[61][62]

Primeira Guerra Mundial, Grande Depressão e Segunda Guerra Mundial

  Uma fazenda abandonada na Dakota do Sul durante a Dust Bowl, 1936.

Durante os primeiros anos da Primeira Guerra Mundial, que eclodiu em 1914, os Estados Unidos mantiveram-se neutros. Apesar da maioria dos estadunidenses simpatizarem com os britânicos e com os franceses, muitos eram contra uma intervenção.[63] Em 1917, os Estados Unidos se juntaram aos Aliados, ajudando a virar a maré contra as Potências Centrais. Após a guerra, o Senado não ratificou o Tratado de Versalhes, que estabelecia a Liga das Nações. O país seguiu uma política de unilateralismo, beirando o isolacionismo.[64]

Em 1920, o movimento pelos direitos das mulheres conseguiu a aprovação de uma emenda constitucional que concedia o sufrágio feminino.[46] A prosperidade dos Roaring Twenties ("anos 20 florescentes, alegres, ruidosos ou vívidos") terminou com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, que desencadeou a Grande Depressão. Após sua eleição como presidente em 1932, Franklin Delano Roosevelt respondeu à crise social e econômica com o New Deal ("novo acordo"), uma série de políticas de crescente intervenção governamental na economia.[65] O Dust Bowl de meados da década de 1930 empobreceu muitas comunidades agrícolas e estimulou uma nova onda de imigração ocidental.[66]

Os Estados Unidos, neutros durante as fases iniciais da Segunda Guerra Mundial, iniciada com a invasão da Polônia pela a Alemanha Nazista em setembro de 1939, começaram a fornecer material para os Aliados em março de 1941 através do programa Lend-Lease (Lend-Lease Act; "Lei de empréstimo e arrendamento"). Em 7 de dezembro de 1941, o Império do Japão lançou um ataque surpresa a Pearl Harbor, o que levou os Estados Unidos a se juntar aos Aliados contra as potências do Eixo e ao internamento compulsivo de milhares de estadunidenses de origem japonesa.[67] A participação na guerra estimulou o investimento de capital e a capacidade industrial do país. Entre os principais combatentes, os Estados Unidos foram o único país a se tornar muito mais rico, ao contrário dos restantes aliados, que empobreceram por causa da guerra.[68] As conferências dos aliados em Bretton Woods e Yalta delinearam um novo sistema de organizações internacionais que colocou os Estados Unidos e a União Soviética no centro da política geoestratégica munidal. Como a vitória foi conquistada na Europa, uma conferência internacional realizada em 1945 em São Francisco produziu a Carta das Nações Unidas, que se tornou ativa depois da guerra.[69] Tendo desenvolvido as primeiras armas nucleares, os Estados Unidos, usaram-as sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em agosto de 1945. O Japão se rendeu em 2 de setembro do mesmo ano, marcando o fim da guerra.[70]

Guerra Fria e protestos políticos

  Martin Luther King, Jr. fazendo seu discurso "I Have a Dream" em 1963.

Os Estados Unidos e a União Soviética disputaram a supremacia mundial após a Segunda Guerra Mundial, durante o período chamado de Guerra Fria, cujos principais atores a nível militar na Europa foram Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o Pacto de Varsóvia. Os Estados Unidos promoviam a democracia liberal e o capitalismo,[71][72] enquanto a União Soviética promovia o comunismo e e uma economia planificada.[72][73] Ambos apoiavam ditaduras e estavam envolvidos em guerras por procuração. As tropas estadunidenses combateram as forças comunistas chinesas na Guerra da Coreia de 1950-53.[74] O Comitê de Atividades Antiestadunidenses seguiu uma série de investigações sobre suspeitas de subversões de esquerda, enquanto o senador Joseph McCarthy tornou-se a figura emblemática do sentimento anticomunista.[75]

O lançamento soviético de 1961 do primeiro voo tripulado fez com que o presidente John F. Kennedy lançasse o repto dos Estados Unidos serem o primeiro país a aterrissar um homem na lua, o que foi realizado em 1969.[76] Kennedy também enfrentou uma tensa crise motivado pela presença de forças soviéticas em Cuba que por pouco não provocou um confronto nuclear. Entretanto, os Estados Unidos experimentaram uma expansão econômica sustentada. Ao mesmo tempo, cresceu o movimento dos direitos civis, simbolizado e liderado por afro-americanos, como Rosa Parks e Martin Luther King Jr, usando não violência para enfrentar a segregação e a discriminação.[77] Após o assassinato de Kennedy em 1963, o Civil Rights Act (Lei de Direitos Civis) de 1964 e o Voting Rights Act (Lei dos Direitos de Voto de 1965) de 1965 foram aprovadas pelo presidente Lyndon B. Johnson.[78][79] Johnson e seu sucessor, Richard Nixon, expandiram uma guerra por procuração no sudeste da Ásia para a mal sucedida Guerra do Vietnã.[74] Um amplo movimento de contracultura cresceu, alimentado pela oposição à guerra, o nacionalismo negro e a revolução sexual.[80] Betty Friedan[81][82], Gloria Steinem[83] e outros levaram uma nova onda de feminismo que buscava a igualdade política, social e econômica das mulheres.

Como consequência do escândalo de Watergate, em 1974 Nixon se tornou o primeiro presidente estadunidense a renunciar, para evitar sofrer um impeachment (impugnação de mandato) sob as acusações de obstrução da justiça e abuso de poder, sendo sucedido pelo vice-presidente Gerald Ford.[84] A administração de Jimmy Carter da década de 1970 foi marcado pela estagflação e a crise dos reféns do Irã. A eleição de Ronald Reagan como presidente, em 1980, anunciou uma viragem à direita na política estadunidense, refletida em grandes mudanças na tributação e nas prioridades de gastos. Seu segundo mandato foi marcado pelo escândalo Irã-Contras e o progresso diplomático significativo com a União Soviética. O posterior colapso soviético pôs fim à Guerra Fria.[74]

Era contemporânea

Sob a presidência de George H. W. Bush, os Estados Unidos assumiram um papel de liderança na ONU sancionando a Guerra do Golfo. A maior expansão econômica da história moderna estadunidense ocorreu de março de 1991 a março de 2001, abrangendo a administração de Bill Clinton e a "Bolha da Internet".[85][86] Uma ação judicial civil e um escândalo sexual levaram ao impeachment de Clinton em 1998, mas este permaneceu no cargo. A eleição presidencial de 2000, uma das mais acirradas e controversas da história dos Estados Unidos, que chegou a envolver suspeitas de fraude e outras dúvidas na contagem de votos, foi resolvida por uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, que declarou George W. Bush, filho de George H. W. Bush, presidente.[87]

Em 11 de setembro de 2001, terroristas da Al-Qaeda atingiram o World Trade Center, em Nova Iorque, e O Pentágono, perto de Washington, DC, matando cerca de três mil pessoas. Em resposta, a administração Bush lançou uma "Guerra ao Terror". No final de 2001, as forças estadunidenses lideraram uma invasão ao Afeganistão, removendo o governo Taliban e acabando com campos de treinamento da Al-Qaeda. Insurgentes do Taliban continuam (2011) a travar uma guerra de guerrilha. Em 2002, a administração Bush começou a pressionar uma mudança de regime no Iraque por motivos controversos.[88][89] Sem o apoio da OTAN ou da ONU para uma intervenção militar, Bush organizou a Coalizão da Boa Vontade; as forças da coalizão invadiram preventivamente o Iraque em 2003, removendo o ditador Saddam Hussein do poder. Em 2005, o furacão Katrina causou extensos estragos ao longo da Costa do Golfo, devastando a cidade de Nova Orleans.[90] Em 4 de novembro de 2008, em meio a uma recessão econômica mundial, Barack Obama foi eleito presidente. Ele é o primeiro afro-americano a assumir a presidência do país. No início de 2010, Obama supervisionou a promulgação de uma importante reforma da saúde.[91] A explosão da plataforma Deepwater Horizon no Golfo do México, que começou em abril de 2010 tornou-se a maior catástrofe ambiental com petróleo em tempos de paz da história.[92]

Geografia

A área dos Estados Unidos contíguos é de aproximadamente 7 825 267,3 km² sendo que 7 663 941,71 km² são terra emersa. O Alasca, separado dos Estados Unidos contíguos pelo Canadá, é o maior estado com 1,5 milhões de km². O Havaí, um arquipélago no Pacífico central, a sudoeste da América do Norte, tem pouco mais de 16 000 km².[93] A seguir à Rússia e ao Canadá, os Estados Unidos são a terceira ou a quarta maior nação do mundo em área total (terra e água), posição acima ou abaixo da China. A classificação varia conforme dois territórios disputados pela China e pela Índia sejam ou não contabilizados na área da China e conforme a estimativa da área total dos Estados — 9 826 675 km² segundo o CIA World Factbook,[94], 9 372 614 km² segundo Divisão de Estatísticas das Nações Unidas.[95] e 9 372 610 km² segundo a Encyclopædia Britannica.[96] Incluindo apenas a área terrestre, os Estados Unidos são o terceiro maior país do mundo em superfície, atrás da Rússia e da China e à frente do Canadá.[97]

Orografia

O território nacional conta com múltiplas formas de acidentes geográficos e é comum dividir-se a parte dos Estados Unidos na América do Norte excluindo o Alasca em três grandes regiões orográficas: a ocidental, a central e a oriental.[98] À medida que se avança para o interior, a planícies costeiras do litoral Atlântico dão lugar a bosques caducifólios e à meseta de Piedmont. Os Apalaches separam a costa oriental dos Grandes Lagos das pradarias do centro-oeste.[99] O principal sistema hidrográfico do país, formado pelos rios Mississipi e Missouri[99] e o terceiro maior sistema fluvial do mundo,[100] perccorre o centro dos Estados Unidos de norte a sul. A pradaria plana e fértil das Grandes Planícies se estende até ao oeste, até ser interrompida por uma região de terras altas no sudoeste. As Montanhas Rochosas, na borda ocidental das Grandes Planícies, atravessam a nação a partir do norte até o sul, chegando a altitudes superiores a 3 400 metros.[99] Ainda na região oeste encontram-se a Grande Bacia do Nevada (Great Basin) e desertos, como o de Mojave, Sonora e Chihuahua.[99] As montanhas de Serra Nevada e a Cordilheira das Cascatas (Cascade Range) se encontram próximas à costa do Pacífico.[99] O Monte McKinley, no Alasca, com 6 194 metros de altitude, é o ponto mais alto do país e de todo o continente.[101][102] Os vulcões ativos são comuns ao longo do Alasca e nas Ilhas Aleutas e no estado do Havaí só existem ilhas vulcânicas.[103] O supervulcão localizado no Parque Nacional de Yellowstone, nas Montanhas Rochosas, é a maior vulcão do continente.[104]

  A águia, o pássaro nacional do país desde 1782.

Clima

Os Estados Unidos, com sua grande extensão e variedade geográfica, inclui a maioria dos tipos de clima.[105][106] A leste do meridiano 100 oeste, o clima varia de continental úmido no norte, a subtropical úmido no sul. A ponta sul da Flórida é tropical, assim como o Havaí. As Grandes Planícies a oeste do meridiano 100 são semiáridas. Grande parte das montanhas ocidentais são alpinas. O clima é árido na Grande Bacia,desértico no sudoeste, mediterrânico na costa da Califórnia e oceânico nas costas do Oregon e de Washington e sul do Alasca. A maior parte do Alasca é subártico ou polar. Climas extremos não são incomuns; os países do Golfo do México são propensos a furacões e a maioria dos tornados do mundo ocorrem no interior do país, principalmente na Tornado Alley ("Alameda dos Tornados"), no Centro-Oeste.[107]

Vida selvagem e recursos naturais

Os Estados Unidos são considerados um "país megadiverso": cerca de 17 000 espécies de plantas vasculares ocorrem nos Estados Unidos Continentais e no Alasca, e mais de 1 800 espécies de plantas são encontradas no Havaí, algumas das quais ocorrem no continente.[108] Os Estados Unidos são o lar de mais de 400 espécies de mamíferos, 750 de aves e 500 de répteis e anfíbios.[109] Cerca de 91.000 espécies de insetos têm sido registradas.[110]

A Endangered Species Act de 1973 protege espécies ameaçadas e seus habitats, que são monitorados pelo United States Fish and Wildlife Service. Há 58 parques nacionais e centenas de outros parques, florestas e áreas naturais geridas pelo governo federal.[111] No total, o governo detém 28,8% da área terrestre do país.[112] A maior parte desta área está protegida, apesar de algumas serem alugadas para perfuração de poços de petróleo e gás natural, mineração, exploração madeireira ou pecuária; 2,4% é usado para fins militares.[112]

  Grand Canyon, um acidente geográfico esculpido pelo rio Colorado.

Demografia

A população dos Estados Unidos foi estimada pelo United States Census Bureau em novembro de 2010 em 310 730 000 habitantes,[113] incluindo 11,2 milhões de imigrantes ilegais.[114] Os Estados Unidos são a terceira nação mais populosa do mundo, a seguir à China e a Índia, e são o único país industrializado em que há perspetivas de aumento em grande parte da população.[115] Com uma taxa de natalidade de 13,82 por mil, 30% abaixo da média mundial, a sua taxa de crescimento populacional é de 0,98%, significativamente superior às da Europa Ocidental, Japão e Coreia do Sul.[116] No ano fiscal de 2009, foi concedida residência legal a 1,1 milhões de imigrantes.[117] O México foi a principal fonte de novos residentes por mais de duas décadas; desde 1998, China, Índia e as Filipinas foram os quatro principais países de origem de imigrantes a cada ano.[118]

Grupos étnicos

  As principais ascendências étnicas dos habitantes dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos têm uma população muito diversificada: trinta e um grupos étnicos têm mais de um milhão de membros. Os estadunidenses brancos são o maior grupo racial; americanos alemães, irlandeses-americanos, ingleses-americanos constituem três dos quatro principais grupos étnicos do país. Os afro-americanos são a maior minoria racial da nação e o terceiro maior grupo étnico.[119][120] Os asiático-americanos são a segunda maior minoria racial do país; os dois maiores grupos étnicos asiático-americanos são chineses americanos e filipinos americanos.[119] Em 2008, a população estadunidense incluía um número estimado de 4,9 milhões de pessoas com alguma ascendência de nativos americanos ou nativos do Alasca (3,1 milhões exclusivamente de tal ascendência) e 1,1 milhões com alguma ascendência de nativos do Havaí ou das ilhas do Pacífico (0,6 milhões exclusivamente).[120] De acordo com o censo de 2010, os hispânicos já são mais de 50 milhões nos Estados Unidos.[121]

Raça/etnia (2008)[120]
Brancos 79,8%
Afro-americano 12,8%
Americanos asiáticos 4,5%
Nativos americanos e nativos do Alasca 1,0%
Nativos do Havaí e nativos das ilhas do Pacífico 0,2%
Multirraciais 1,7%
Hispânicos (de qualquer raça) 15,4%

O crescimento populacional dos hispânicos e latino-americanos é uma grande tendência demográfica. Os 46,9 milhões de americanos de ascendência hispânica[120] são identificados como uma etnia "distinta" pelo Census Bureau; 64% dos hispano-americanos são de origem mexicana. Entre 2000 e 2008, a população hispânica do país aumentou 32%, enquanto a população não hispânica cresceu apenas 4,3%.[120][122] Grande parte deste crescimento populacional vem da imigração. Em 2007, 12,6% da população era era constituída por indivíduos nascidos em outros países, 54% deles na América Latina.[123] A fertilidade é também um fator importante; o número médio de filho por mulher latino-americana (taxa de fecundidade é de três, de 2,2 para as mulheres não hispânicas negras e 1,8 para as mulheres não hispânicas brancas (abaixo da taxa de substituição populacional, que é de 2,1).[115] Minorias (conforme definido pelo Census Bureau, ao lado de todos os não hispânicos, não multirraciais brancos) constituem 34% da população. Estima-se que os não brancos constituirão a maioria da população em 2042.[124]

Por volta de 1/3 dos estadunidenses brancos possuem ancestralidade africana, de acordo com um estudo autossômico de 2003. A média de contribuição africana para esse 1/3 da população branca americana ficou em 2,3%, mas havendo variações individuais em que a contribuição africana chega a até mais de 20%. Levando-se em conta toda a população branca americana, a média de contribuição africana cai para o valor pequeno de 0,7%. [125] Já em um estudo de 2010, concluiu-se que apenas 5% dos que se identificam como afro-americanos possuem ancestralidade africana superior a 95%. 27% dos afro americanos teriam ancestralidade africana inferior a 60%. 52% dos americanos brancos (a maioria, portanto) teriam ancestralidade europeia inferior a 95%. [126] De acordo com outro estudo, americanos que se autodeclararam como de ascendência europeia revelam ancestralidade europeia, em média, de 93,20%. Afro americanos, ancestralidade africana de 86,20% (com variações individuais de 47,82% a 98,50% no caso dos afro americanos).[127] Os brancos americanos são maioria entre os norteamericanos que possuem idade superior a 65 anos (80% da população com idade superior a 65 anos). Entre os recém nascidos, porém, os não brancos (negros, latinos, asiáticos, etc) predominam e já ultrapassaram os brancos, de acordo com notícia divulgada em junho de 2011. [128][129]

Religião

Religião nos Estados Unidos[130]
Religião Porcentagem
Protestantismo
  
51,3%
Catolicismo romano
  
23,9%
Sem religião
  
16,1%
Outros cristãos
  
3,3%
Judaísmo
  
1,7%
Outros
  
3,7%

Os Estados Unidos são oficialmente uma nação secular; a Primeira Emenda da Constituição do país garante o livre exercício da religião e proíbe a criação de um governo religioso.[46] Em um estudo de 2002, 59% dos estadunidenses disseram que a religião teve um papel "muito importante em suas vidas", um número muito maior do que qualquer outra nação desenvolvida.[131] De acordo com uma pesquisa de 2007, 78,4% dos adultos se identificaram como cristãos,[130] contra 86,4% em 1990.[132] Denominações protestantes representavam 51,3%, enquanto o catolicismo romano, com 23,9%, foi a maior denominação individual. O estudo classifica os evangélicos brancos, 26,3% da população, como o maior grupo religioso do país;[130] outro estudo estima evangélicos de todas as raças em 30-35%.[133] O total religiões não cristãs em 2007 foi de 4,7% , acima dos 3,3% em 1990.[132] Os maiores credos não cristãos foram o judaísmo (1,7%), budismo (0,7%), islamismo (0,6%), hinduísmo (0,4%) e o Unitário-Universalismo (0,3%).[130] 8,2% da população em 1990,[132] contra 16,1% em 2007, descreveu-se como agnóstico, ateu, ou simplesmente sem-religião.[130]

Idiomas

  Estatuto de língua oficial nos estados e territórios estadunidenses.

██ Inglês é a língua oficial

██ Duas ou mais línguas oficiais

██ Sem língua oficial; inglês é a língua de-facto

██ Sem língua oficial; múltiplas línguas de-facto

O inglês é a língua nacional de facto.[3][4] Embora não haja nenhuma língua oficial em nível federal, algumas leis, como os requisitos para naturalização, padronizam o inglês.[3][4] Em 2006, cerca de 224 milhões de pessoas, ou 80% da população com idades entre cinco anos ou mais, falava apenas inglês em casa. O espanhol, falado em casa por 12% da população, é o segundo idioma mais comum e a segunda língua estrangeira mais ensinada.[134][135] Alguns estadunidenses defendem o inglês como a língua oficial do país, como é em, pelo menos, vinte e oito estados do país.[136] Tanto o havaiano quanto o inglês são as línguas oficiais no Havaí por lei estadual.[137]

Enquanto não tem uma língua oficial, o Novo México tem leis que prevêem a utilização dos idiomas inglês e espanhol, a Louisiana tem leis para o inglês e o francês.[138] Outros estados, como a Califórnia, obrigam a publicação de versões em espanhol de alguns documentos do governo, incluindo de tribunais.[139][140] Vários territórios insulares concedem o reconhecimento oficial para suas línguas nativas, juntamente com o inglês: samoano e chamorro são reconhecidas pela Samoa Americana e Guam, respectivamente;[141][142][143] caroliniano e o chamorro são reconhecidos pelas Ilhas Marianas do Norte,[141] o espanhol é uma língua oficial de Porto Rico.[144]

Crime e aplicação da lei

  Mapa de crimes violentos por cada 100.000 pessoas nos EUA por estado em 2004.

██ < 100

██ >100-200

██ >200-300

██ >300-400

██ >400-500

██ >500-600

██ >600-700

██ >700-800

██ >800

A aplicação da lei nos Estados Unidos é sobretudo da responsabilidade da polícia local e dos departamentos do xerife, com polícias estaduais que prestam serviços mais amplos. As agências federais, como o Federal Bureau of Investigation (FBI) e os U.S. Marshals Service têm funções especializadas.[145][146] No nível federal e em quase todos os estados, a jurisprudência opera em um sistema de common law. Tribunais estaduais julgam a maioria dos crimes; tribunais federais julgam certos crimes designados, bem como apelos de alguns sistemas estaduais[147].

Entre os países desenvolvidos, os Estados Unidos têm níveis acima da média de crimes violentos e níveis particularmente altos de violência armada e de homicídio.[148][149] Em 2007, havia 5,6 homicídios por 100 mil pessoas,[150] três vezes a taxa do vizinho Canadá.[150] A taxa de homicídios do país, que diminuiu 42% entre 1991 e 1999, permaneceu aproximadamente constante desde então.[150] O direito de civis possuírem armas é objeto de um controverso debate político[151].

Os Estados Unidos têm a maior taxa registrada de encarceramento[152] e a maior população carcerária total[153] do mundo. No início de 2008, mais de 2,3 milhões de pessoas foram presas, mais de um em cada 100 adultos.[154] A taxa atual é de cerca de sete vezes o valor de 1980.[155] Prisões de afro-americanos são em cerca de seis vezes maior que a taxa de prisão de homens brancos e três vezes a taxa de homens latinos.[152] Em 2006, a taxa de encarceramento estadunidense foi mais de três vezes o valor da taxa da Polônia, país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com a segunda taxa mais alta.[156] A elevada taxa de encarceramento do país deve-se, em grande parte, à condenação e às políticas de drogas.[152][157]

Embora tenha sido abolida na maioria das nações ocidentais, a pena capital é sancionada nos Estados Unidos para certos crimes federais e militares, e em trinta e seis estados. Desde 1976, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos restabeleceu a pena de morte depois de uma moratória de quatro anos, houve mais de 1.000 execuções.[158] Em 2006, o país teve o sexto maior número de execuções no mundo, na sequência de China, Irã, Paquistão, Iraque e Sudão.[159] Em 2007, Nova Jérsei se tornou o primeiro estado a abolir legislativamente a pena de morte desde a decisão de 1976 da Suprema Corte, seguida do Novo México em 2009.[160][161][162]

Urbanismo

Cerca de 82% dos estadunidenses vivem em áreas urbanas;[94][163] cerca de metade são residentes de cidades com populações superiores a 50 000.[164] Em 2008, 273 cidades tinham populações superiores a 100 000 habitantes, nove cidades tinham mais de um milhão de habitantes e quatro cidades globais tinham mais de 2 milhões de habitantes (Nova Iorque, Los Angeles, Chicago e Houston).[124]

Política

  A fachada oeste da Suprema Corte dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos são a federação mais antiga do mundo.[166] O país é uma república constitucional e uma democracia representativa, "em que a regra da maioria é temperada por direitos das minoria protegidas por lei".[167] O governo é regulado por um sistema de freios e contrapesos definido pela Constituição, que serve como documento legal supremo do país.[168] No sistema federalista estado-unidense, os cidadãos são geralmente sujeitos a três níveis de governo, federal, estadual e local; funções do governo local são geralmente divididas entre o condado e os governos municipais.[166] Em quase todos os casos, funcionários do executivo e legislativo são eleitos pelo voto da maioria dos cidadãos por distrito.[166] Não há representação proporcional no nível federal e isso é muito raro em níveis inferiores.[166]

O governo federal é composto de três ramos:[166][168]

  A fachada sul da Casa Branca, casa e local de trabalho do Presidente dos Estados Unidos.

A Câmara dos Representantes tem 435 membros votantes, cada um representando um distrito do Congresso para um mandato de dois anos.[168] Cadeiras na Câmara são distribuídas entre os estados pela população a cada dez anos. De acordo com o censo de 2000, sete estados têm um mínimo de um representante, enquanto a Califórnia, o estado mais populoso, tem cinquenta e três. O Senado tem 100 membros com cada estado tendo dois senadores, eleitos em-grande para mandatos de seis anos, um terço das cadeiras do Senado estão acima para a eleição a cada ano. O presidente serve um mandato de quatro anos e pode ser eleito não mais do que duas vezes.[169]

O presidente não é eleito pelo voto direto, mas por um sistema de colégio eleitoral indireto em que os votos são distribuídos de forma determinante pelo estado,[170][171] para um mandato de quatro anos, podendo ser reeleito não mais de duas vezes.[168] Cada estado pode brindar uma determinada quantidade de votos de acordo com o número de congressistas dentro do poder legislativo: senadores (dois por cada estado)[172] e representantes (que variam de acordo com a população de cada estado); dando um total de 538 membros. O sistema bipartidarista permite que um dos candidatos à presidência, seja do partido republicano o democrata, precise de apenas duzentos e setenta votos para assegurar a vitória.[173] A Suprema Corte, liderada pelo Chefe de Justiça dos Estados Unidos, tem nove membros.[174]

Os governos estaduais estão estruturados de forma mais ou menos semelhante, Nebraska excepcionalmente tem uma legislatura unicameral.[175] O governador (chefe executivo) de cada estado é eleito por sufrágio direto. Alguns juízes estaduais e agentes do gabinete são nomeados pelos governadores dos respectivos Estados, enquanto outros são eleitos pelo voto popular[176].

Todas as leis e procedimentos governamentais são passíveis de recurso judicial e a que foi julgada em desacordo com a Constituição é anulada. O texto original da Constituição estabelece a estrutura e as responsabilidades do governo federal e sua relação com os estados. O Artigo Primeiro protege o direito ao "grandes decreto" do habeas corpus e o Artigo Terceiro garante o direito a um julgamento com júri em todos os casos criminais. Emendas à Constituição exigem a aprovação de três quartos dos estados. A Constituição foi alterada vinte e sete vezes; as dez primeiras emendas, que constituem a Carta dos Direitos, e a Décima Quarta Emenda formam a base central dos direitos individuais dos estadunidenses.[46]

Política externa e forças armadas

Os Estados Unidos exercem uma forte influência econômica, política e militar em todo o mundo. O país é um membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e Nova Iorque hospeda a sede das Nações Unidas. Quase todos os países têm embaixadas em Washington D.C. e muitos consulados em todo o país. Da mesma forma, quase todas as nações acolhem missões diplomáticas estadunidenses.[177] No entanto, Cuba, Irã, Coreia do Norte, Butão, Sudão e a República da China (Taiwan) não têm relações diplomáticas formais com os Estados Unidos.[178][179][180][181][182]

Os Estados Unidos mantêm laços fortes com o Reino Unido, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Japão, Coreia do Sul e Israel. Trabalha em estreita colaboração com outros membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) sobre questões militares e de segurança e com seus vizinhos por meio da Organização dos Estados Americanos (OEA) e tem acordos de livre comércio trilateral, como o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio com o Canadá e o México. Em 2008, os Estados Unidos gastaram US$ 25,4 bilhões líquidos em assistência oficial ao desenvolvimento na maior parte do mundo. Em percentagem do produto nacional bruto (PNB), no entanto, a contribuição estadunidense de 0,18% ficou em último lugar entre os vinte e dois Estados doadores. Em contraste, as doações particulares ao exterior dos estadunidenses são relativamente generosas, particularmente com Israel.[183]

O presidente detém o título de comandante-em-chefe das forças armadas do país e nomeia seus dirigentes, o secretário de defesa e o Chefe Adjunto do Estado-Maior. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos administra as forças armadas, incluindo o Exército, Marinha, Corpo de Fuzileiros Navais e da Força Aérea. A Guarda Costeira é executada pelo Departamento de Segurança Interna em tempos de paz e pelo Departamento da Marinha em tempos de guerra. Em 2008, as forças armadas tinham 1,4 milhões de pessoas na ativa. As Reservas da Guarda Nacional elevam o número total de tropas para 2,3 milhões. O Departamento de Defesa também empregou cerca de 700.000 civis, não incluindo empreiteiros.[184]

O serviço militar é voluntário, embora a conscrição possa ocorrer em tempos de guerra através do chamado Sistema de Serviço Seletivo. As forças estado-unidenses podem ser rapidamente implantadas pela grande frota de aviões de transporte da Força Aérea, onze aviões ativos da Marinha e Marine Expeditionary Unit no mar com frotas da Marinha no Atlântico e no Pacífico. Fora dos Estados Unidos, os militares operam 865 bases e instalações,[185] com o pessoal destacado para mais de 150 países.[186] A extensão da presença militar global tem levado alguns estudiosos a descrever os Estados Unidos como a manutenção de um "império de bases".[187]

O total de gastos militares dos Estados Unidos em 2008 foi de mais de US$ 600 bilhões, superior a 41% da despesa militar mundial e maior do que todos os próximos quatorze maiores gastos militares nacionais somados. O gasto per capita de 1.967 dólares foi cerca de nove vezes superior à média mundial; com 4% do PIB, a taxa foi a segunda mais alta entre os quinze maiores gastadores militares, depois da Arábia Saudita.[188] A base proposta pelo Departamento de Defesa para o orçamento de 2010, US$ 533,8 bilhões, é um aumento de 4% em relação a 2009 e 80% maior que em 2001, um adicional de US$ 130 bilhões é proposto para as campanhas militares no Iraque e no Afeganistão.[189] Em setembro de 2009, havia cerca de 130.000 soldados estadunidenses enviados ao Iraque e 62.000 mobilizados para o Afeganistão.[190] Até 9 de outubro de 2009, os Estados Unidos haviam sofrido com 4.349 militares mortos durante a Guerra do Iraque[191] e 869 durante a Guerra no Afeganistão.[192]

Subdivisões

Os Estados Unidos são uma união federal de cinquenta estados. Os originais treze estados foram os sucessores das treze colônias que se rebelaram contra o domínio britânico. No início da história do país, três novos estados foram organizados em território separados das reivindicações dos estados existentes: Kentucky da Virgínia; Tennessee da Carolina do Norte e Maine de Massachusetts. A maioria dos outros estados foi esculpida a partir de territórios obtidos através de guerras ou por aquisições do governo estadunidense. Um conjunto de exceções compreende Vermont, Texas e Havaí: cada um era uma república independente antes de ingressar na união. Durante a Guerra Civil Americana, a Virgínia Ocidental se separou da Virgínia. O mais recente estado, o Havaí, foi anexado em 21 de agosto de 1959.[193][194] Os estados não têm o direito de se separar da união.[195][196]

Os estados compõem a maior parte da massa terrestre estadunidense, as duas outras áreas consideradas partes integrantes do país são o Distrito de Colúmbia, o distrito federal, onde a capital, Washington, está localizada, e o Atol Palmyra, um território integrado, mas desabitado no Oceano Pacífico. Os Estados Unidos também possuem cinco grandes territórios ultramarinos: Porto Rico e Ilhas Virgens Estadunidenses, no Caribe, e Samoa Americana, Guam e as Ilhas Marianas do Norte, no Pacífico. As pessoas nascidas nos territórios (exceto na Samoa Americana) possuem cidadania estadunidense. Cidadãos estadunidenses residentes nos territórios têm muitos dos mesmos direitos e responsabilidades dos cidadãos residentes nos estados, no entanto, eles geralmente são isentos do imposto de renda federal, não podem votar para presidente e têm apenas uma representação sem direito a voto no Congresso.[197]

Alabama Alasca Arizona Arkansas Califórnia Colorado Connecticut Delaware Flórida Geórgia Havaí Idaho Illinois Indiana Iowa Kansas Kentucky Louisiana Maine Maryland Massachusetts Michigan Minnesota Mississippi Missouri Montana Nebraska Nevada Nova Hampshire Nova Jérsei Novo México Nova Iorque Carolina do Norte Dakota do Norte Ohio Oklahoma Oregon Pensilvânia Rhode Island Carolina do Sul Dakota do Sul Tennessee Texas Utah Vermont Virgínia Washington Virgínia Ocidental Wisconsin Wyoming Delaware Maryland Nova Hampshire Nova Jérsei Massachusetts Connecticut Virgínia Ocidental Vermont Rhode IslandMap of USA with state names pt.svg
Sobre esta imagem

Economia

Indicadores econômicos
Desemprego 9,7% (Jan. 2010) [198]
Crescimento do PIB 1,7%(2011)] [199]
Índice de inflação 2,7% (Dezembro de 2008–Dezembro de 2009) [200]
Dívida pública US$12,303 trilhões (5 de janeiro de 2010) [201]
Pobreza 15,1% (2010) [202]
  Notas de um dólar estadunidense. O dólar é a moeda oficial do país desde 1792.

Os Estados Unidos têm uma economia mista capitalista, que é abastecida por recursos naturais abundantes, uma infraestrutura bem desenvolvida e pela alta produtividade.[203] De acordo com o Fundo Monetário Internacional, o PIB dos Estados Unidos de 14,4 trilhões de dólares representa 24% do produto interno bruto mundial no mercado de câmbio e quase 21% do produto interno bruto mundial em paridade do poder de compra (PPC).[9] O maior PIB nacional do mundo era cerca de 5% menor do que o PIB combinado da União Europeia em PPC, em 2008. O país ocupa a décima sétima posição no mundo em termos de PIB nominal per capita e a sexta posição em PIB per capita PPC.[9]

Os Estados Unidos são o maior importador e terceiro maior exportador de bens, embora as exportações per capita sejam relativamente baixas. Em 2008, o déficit comercial total dos E.U.A. foi de 696 bilhões de dólares.[204] Canadá, China, México, Japão e Alemanha são os seus principais parceiros comerciais.[205] A China é o maior detentor da dívida externa pública dos EUA.[206] Depois de uma expansão que durou pouco mais de seis anos, a economia estadunidense entrou em recessão desde dezembro de 2007, recuperando-se em 2010.[207] Os Estados Unidos ocupam o segundo lugar no Global Competitiveness Report.[208]

Em 2009, estimou-se que o setor privado constituía 55,3% da economia do país; a atividade do governo federal,24,1%; e as atividades dos estados e de administrações locais (incluindo as transferências federais), os restantes 20,6%.[209] A economia é pós-industrial, com o setor de serviços contribuindo com 67,8% do PIB, embora os Estados Unidos continuem a ser uma potência industrial.[210] Os Estados Unidos são o terceiro maior produtor de petróleo do mundo, bem como o seu maior importador.[211][212][213] É o maior produtor do mundo de energia elétrica e nuclear, assim como de gás natural liquefeito, enxofre, fosfatos e sal. Enquanto a agricultura representa menos de 1% do PIB,[210] os Estados Unidos são o maior produtor mundial de milho[214] e soja.[215] A Bolsa de Valores de Nova Iorque é a maior do mundo em volume de dólares.[216] Coca-Cola e McDonald's são as duas marcas do país mais reconhecidas no mundo.[217]

No terceiro bimestre de 2009, a força de trabalho do país era composta por 154,4 milhões de pessoas. Desses trabalhadores, 81% tinham emprego no setor de serviços. Com 22,4 milhões de pessoas, o governo é o principal campo de trabalho.[218] Cerca de 12% dos trabalhadores são sindicalizados, contra 30% na Europa Ocidental.[219] O Banco Mundial classifica os Estados Unidos em primeiro lugar na facilidade de contratação e demissão trabalhadores.[220] Entre 1973 e 2003, um ano de trabalho para o estadunidense médio cresceu 199 horas.[221] Em parte como resultado disso, os Estados Unidos mantém a maior produtividade do trabalho no mundo. Em 2008, ele também levou a produtividade por hora do mundo, ultrapassando a Noruega, França, Bélgica e Luxemburgo, que havia superado os Estados Unidos durante a maior parte da década anterior.[222] Em relação à Europa, a propriedade e as taxas de imposto de renda estadunidenses são geralmente mais elevadas, enquanto trabalho e, particularmente, as taxas de imposto sobre o consumo são menores.[223]

Renda e desenvolvimento humano

De acordo com o United States Census Bureau, a renda familiar média bruta americana em 2010 foi de 49.445 dólares. A média variou de 64.308 dólares entre famílias asiáticas-americanas a $ 32.068 entre os lares de afro-americanos.[202] Usando a paridade do poder de compra das taxas de câmbio, a média geral é semelhante ao grupo do mais ricos países desenvolvidos. Depois de uma diminuição acentuada durante a matade do século XX, a taxa de pobreza estabilizou-se desde os anos 1970, sendo que há entre 11 e 15% norte-americanos abaixo da linha da pobreza todos os anos e cerca de 58,5% deles passam pelo menos um ano em situação de pobreza entre as idades de 25 e 75 anos.[6][224] Em 2010, 46,2 milhões de americanos viviam na pobreza, número que subiu pelo quarto ano consecutivo.[202]

O Estado de bem-estar social dos Estados Unidos é um dos menos extensos do mundo desenvolvido, o que diminui a sua capacidade de reduzir a pobreza relativa e absoluta consideravelmente menos do que a média para os países ricos,[225][226] embora os gastos sociais per capita públicos e privados combinados sejam relativamente altos.[227] Enquanto o Estado de bem-estar americano reduza eficazmente a pobreza entre os idosos,[228] presta relativamente pouca assistência para os mais jovens.[229] Um estudo de 2007 da UNICEF sobre o bem-estar infantil em vinte e uma nações industrializadas classificou os Estados Unidos em penúltimo lugar.[230]

Entre 1947 e 1979, a renda média real aumentou em mais de 80% para todas as classes sociais, com a renda dos americanos mais pobres crescendo mais rapidamente do que a dos mais ricos.[231] No entanto, o aumento da renda, desde então, têm sido mais lento, menos amplamente compartilhadose acompanhado pelo aumento da insegurança econômica.[231][232] A renda familiar média aumentou para todas as classes, desde 1980,[233] mas o crescimento tem sido fortemente inclinado em direção ao topo.[225][231][234] Por conseguinte, a parcela da renda do 1% do topo - 21,8% da renda total reportada em 2005 - mais do que duplicou desde 1980,[235] deixando o Estados Unidos com a maior desigualdade de renda entre as nações desenvolvidas.[225][236] Os 1% mais ricos pagam 27,6% de todos os impostos federais, enquanto os 10% mais ricos pagam 54,7%.[237] A riqueza, como renda, é altamente concentrada: os 10% mais ricos da população adulta possuem 69,8% da riqueza doméstica do país, a segunda maior participação entre as nações desenvolvidas.[238] Os 1% mais ricos possuem 33,4% da riqueza líquida.[239]

Infraestrutura

Educação

  Cerca de 80% dos estudantes universitários estadunidenses frequentam universidades públicas como a Universidade da Virgínia, um Patrimônio Mundial fundado por Thomas Jeferson.[240]

A educação pública estadunidense é operada por governos estaduais e municipais, sendo regulada pelos Departamento de Educação dos Estados Unidos através de restrições sobre as subvenções federais. Crianças são obrigadas na maioria dos estados a frequentar a escola desde os seis ou sete anos (em geral, pré-escola ou primeira série) até os dezoito (geralmente até o décimo segundo grau, ao final do ensino médio); alguns estados permitem que os estudantes deixem a escola aos dezesseis ou dezessete anos.[241] Cerca de 12% das crianças estão matriculadas em escolas paroquiais ou escolas privadas não sectárias. Pouco mais de 2% das crianças fazem ensino doméstico.[242]

Os Estados Unidos têm muitas instituições públicas e privadas de ensino superior competitivas, bem como faculdades de comunidades locais com políticas abertas de admissão. Dos estadunidenses com 25 anos ou mais, 84,6% concluíram o ensino superior, 52,6% frequentavam alguma faculdade, 27,2% recebiam um diploma de bacharel e 9,6% frequentavam uma pós-graduação.[243] A taxa de alfabetização é de cerca de 99% da população.[94][244] A Organização das Nações Unidas atribui aos Estados Unidos um índice de educação de 0,97, classificando-o na 12ª posição no mundo.[245]

De acordo com a Unesco, os Estados Unidos são o segundo país com o maior número de instituições de educação superior no mundo, com um total de 5 758, com um ponto médio de quinze por cada estado.[246] O país conta com o maior número de estudantes universitários do mundo, ascendendo a 14 621 778, correspondente a 4.5% da população total.[247] Lá encontram-se algumas das universidades mais prestigiosas e de maior fama no mundo. Harvard, Berkeley, Stanford e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts são consideradas como as melhores universidades por muitas de suas publicações.[248][249][250]

Transportes

  O Interstate Highway System, que se estende por 75 376 quilômetros, a maior rede de rodovias expressas do planeta.[251]

Sendo um país desenvolvido, os Estados Unidos conta com uma avançada infraestrutura de transportes: 6 465 799 quilômetros de autoestradas, 226 427 quilômetros de vias férreas e 41 009 quilômetros de vias fluviais.[94] A maior parte seus habitantes utiliza o automóvel como o principal meio de transporte. Em 2003, havia 759 automóveis para cada 1.000 estadunidenses, em comparação com os 472 automóveis para cada 1.000 habitantes da União Europeia no ano seguinte.[252] Cerca de 40% dos veículos pessoais são vans, utilitários esportivos ou caminhões leves.[253] O estadunidense adulto médio (contabilização de todos os que dirigem e não dirigem) gasta 55 minutos dirigindo por dia, viajando 47 km.[254]

A indústria da aviação civil é totalmente privada, enquanto a maioria dos grandes aeroportos são de propriedade pública. As quatro maiores companhias aéreas do mundo em passageiros transportados são estadunidenses; Southwest Airlines é a número um.[255] Dos trinta aeroportos mais movimentados por passageiros do mundo, dezesseis estão nos Estados Unidos, sendo o mais movimentado deles o Aeroporto Internacional de Atlanta Hartsfield-Jackson, o maior do mundo.[256] Enquanto o transporte ferroviário de mercadorias é extenso, relativamente poucas pessoas usam transporte ferroviário em viagens, dentro ou entre as cidades.[257] O transporte de massa contabiliza 9% do total de viagens de trabalho dos Estados Unidos, comparado aos 38,8% na Europa.[258] O uso de bicicletas é mínimo, bem abaixo dos níveis europeus.[259]

Ciência e tecnologia

  Astronauta Buzz Aldrin fotografado por Neil Armstrong (o primeiro homem a pisar na Lua) durante a missão Apollo 11, em 20 de Julho de 1969.

Os Estados Unidos tem sido um líder em pesquisa científica e em inovação tecnológica desde o século XIX. Em 1876, Alexander Graham Bell conquistou a primeira patente estadunidense para o telefone. O laboratório de Thomas Edison desenvolveu o primeiro fonógrafo, a primeira lâmpada incandescente, a primeira câmera de vídeo viável. Nikola Tesla foi o pioneiro da corrente alternada, do motor AC e do rádio. No início do século XX, as empresas de automóveis de Ransom E. Olds e Henry Ford promoveram a linha de montagem. Os irmãos Wright, em 1903, fizeram o primeiro objeto sustentado e controlado mais pesado que o ar voar.[260]

A ascensão do nazismo na década de 1930 levou muitos cientistas europeus, incluindo Albert Einstein e Enrico Fermi, a imigrar para os Estados Unidos. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Projeto Manhattan desenvolveu armas nucleares, dando início à Era Atômica. A Corrida Espacial produziu rápidos avanços no desenvolvimento de foguetes, da ciência dos materiais e de computadores. Os Estados Unidos também tiveram grande contribuição no desenvolvimento da ARPANET e de sua sucessora, a Internet. Hoje, a maior parte do financiamento para pesquisa e desenvolvimento, 64%, vem do setor privado.[261] Os Estados Unidos lideram no mundo em trabalhos de pesquisa científica e fator de impacto.[262] Os estadunidenses possuem níveis de consumo tecnologicamente avançados,[263][264][265] e quase metade dos lares têm acesso à banda larga.[266] O país é o principal desenvolvedor e produtor de alimentos geneticamente modificados. Mais da metade das terras cultivadas com culturas transgênicas do mundo está nos Estados Unidos.[267]

Energia

  Uma mina de carvão no Wyoming. Os Estados Unidos têm 27% das reservas globais de carvão.[268]

O consumo energético total do país é de 3,873 bilhões lWh anuais, equivalente a um consumo per capita de 7,8 toneladas de petróleo ao ano.[94] Em 2005, 40% da energia provinha do petróleo, 23% do carvão e 22% de gás natural; o resto provinha de centrais nucleares e de fontes de energia renovável.[269] Os Estados Unidos são o maior consumidor de petróleo e gás natural: anualmente são utilizados 19,5 milhões de barris de petróleo e 627,2 milhões de metros cúblicos de gás natural.[270][271] Por outro lado, no país são encontradas 27% das reservas mundiais de carvão.[268] Durante décadas, a energia nuclear teve um papel julgado na produção de energia, em comparação à maioria dos países desenvolvidos, devido em parte à reação após o acidente de Three Mile Island. Em 2007, o governo recebeu múltiplas petições para a construção de novas centrais nucleares, o que poderia significar uma diminuição considerável no consumo de combustíveis fósseis[272] e mudanças na política energética.

Saúde

A expectativa de vida dos Estados Unidos é de 77,8 anos ao nascer,[273] um ano menor do que o valor global da Europa Ocidental, e de três a quatro anos menor do que as taxas da Noruega, Suíça e Canadá.[274] Ao longo das últimas duas décadas, a classificação do país em expectativa de vida caiu de 11ª posição para a 42ª no mundo.[275] A taxa de mortalidade infantil é de 6,37 por mil, colocando o país também na 42ª posição entre 221 países, atrás de toda a Europa Ocidental.[276] Aproximadamente um terço da população adulta do país é obesa e um terço adicional tem excesso de peso;[277] a taxa de obesidade, a mais alta do mundo industrializado, mais do que duplicou no último quarto de século.[278] A obesidade relacionada com o diabetes tipo 2 é considerada uma epidemia pelos profissionais de saúde.[279]

  O Texas Medical Center, em Houston, maior centro médico do mundo.[280][281]

A taxa de gravidez na adolescência no país é de 53 por 1.000 mulheres, seis vezes superior à da França e quatro vezes superior à da Alemanha.[282] A legalização do aborto é altamente controversa. Muitos estados proíbem o financiamento público do processo e restringem o aborto, exigem a notificação parental para os menores de idade e o mandato de um período de espera. Apesar de a taxa de aborto estar caindo, a taxa de aborto de 241 por 1.000 nascidos vivos e taxa de abortamento de 15 por mil mulheres com idade entre 15-44 anos permanecem superiores aos da maioria das nações ocidentais.[283]

O sistema de saúde estadunidense gasta muito mais que qualquer sistema de saúde de outra nação, seja em gastos per capita ou em percentagem do PIB.[284] A Organização Mundial de Saúde classificou o sistema de saúde estadunidense, em 2000, como o primeiro em capacidade de resposta, mas o 37º em desempenho global. Os Estados Unidos são um líder em inovação médica. Em 2004, o setor não industrial gastou três vezes mais per capita do que a Europa em pesquisa biomédica.[285]

Os Estados Unidos são sede dos melhores hospitais do mundo. Grande parte das instalações médicas são de propriedade privada que contam com alguns subsídios do governo local. Apesar de serem associações sem fins lucrativos, muitos dos hospitais mais importantes estão afiliados a grandes corporações ou faculdades de medicina, que têm feito o possível para albergarem 70% de todos os pacientes médicos do país.[286] O Hospital Johns Hopkins, a Mayo Clinic, o Massachusetts General Hospital e a Clínica Cleveland se encontram entre os melhores hospitais do país e do mundo.[287]

Ao contrário de todos os outros países desenvolvidos, a cobertura de saúde nos Estados Unidos não é universal. Em 2004, os seguros privados pagaram por 36% dos gastos pessoais de saúde, os pagamentos privados corriqueiros por 15%, e os pagamentos federais, estaduais e de governos locais por 44%.[288] Em 2005, 46,6 milhões de estadunidenses, ou 15,9% da população, eram não segurados, 5,4 milhões a mais que em 2001. A principal causa deste aumento é a queda no número de estadunidenses com seguro de saúde patrocinado por empregadores.[289] A questão de estadunidenses não segurados é uma importante questão política.[290] Um estudo de 2009 estimou que a falta de seguro está associada com cerca de 45.000 mortes por ano.[291] Em 2006, Massachusetts se tornou o primeiro estado do país a ter um mandato de seguro de saúde universal.[292] A legislação federal aprovada no início de 2010 irá criar um sistema de seguro de saúde quase universal em todo o país até 2014.[91][293][294]

Cultura

  Ícones culturais estadunidenses: torta de maçã, baseball, e a bandeira dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos são uma nação multicultural, lar de uma grande variedade de grupos étnicos, tradições e valores.[8][295] Além das já pequenas populações nativas americanas e nativas do Havaí, quase todos os estadunidenses ou os seus antepassados emigraram nos últimos cinco séculos.[296] A cultura em comum pela maioria dos estadunidenses é a cultura ocidental em grande parte derivada das tradições de imigrantes europeus, com influências de muitas outras fontes, tais como as tradições trazidas pelos escravos da África.[8][297][298] A imigração mais recente da Ásia e especialmente da América Latina adicionou uma mistura cultural que tem sido descrita tanto como homogeneizada quanto heterogênea, já que os imigrantes e seus descendentes mantêm especificidades culturais.[8]

De acordo com a análise de dimensões culturais de Geert Hofstede, os Estados Unidos têm maior pontuação de individualismo do que qualquer país estudado.[299] Apesar da cultura dominante de que os Estados Unidos sejam uma sociedade sem classes,[300] estudiosos identificam diferenças significativas entre as classes sociais do país, que afetam a socialização, linguagem e valores.[301][302] A classe média e profissional estadunidense iniciou muitas tendências sociais contemporâneas como o feminismo moderno, o ambientalismo e o multiculturalismo.[303] A autoimagem dos estadunidenses, dos pontos de vista social e de expectativas culturais, é relacionada com as suas profissões em um grau de proximidade incomum.[304] Embora os estadunidenses tendam a valorizar muito a realização sócio-econômica, ser parte da classe média ou normal é geralmente visto como um atributo positivo.[305] Embora o sonho estadunidense, ou a percepção de que os estadunidenses gozam de uma elevada mobilidade social, desempenhe um papel fundamental na atração de imigrantes, alguns analistas acreditam que os Estados Unidos têm menos mobilidade social que a Europa Ocidental e o Canadá.[306]

As mulheres na sua maioria trabalham fora de casa e recebem a maioria dos diplomas de bacharel.[307] Em 2007, 58% dos estadunidenses com 18 anos ou mais eram casados, 6% eram viúvos, 10% eram divorciados e 25% nunca haviam sido casados.[308] O casamento entre pessoas do mesmo sexo é um tema controverso no país. Alguns estados permitem uniões civis, em vez do casamento. Desde 2003, vários estados têm permitido o casamento entre homossexuais, como resultado de ação judicial ou legislativa, enquanto os eleitores em mais de uma dezena de Estados proibiram a prática através de referendos.[309]

Esportes

  O futebol estado-unidense é o esporte mais popular do país.[310][311]

Desde finais do século XIX, o beisebol é considerado como o esporte nacional, enquanto o futebol estadunidense, o hóquei no gelo e o basquete são outros três grandes esportes de equipe profissionais. As ligas universitárias também atraem grandes audiências. O futebol estadunidense é o esporte mais popular no país.[310][311] O boxe e a corrida de cavalo foram uma vez os esportes individuais mais vistos, mas foram substituídos pelo golfe e o automobilismo. O futebol vem crescendo de popularidade desde a criação da MLS.[312] O futebol e outros esportes do exterior também são populares[313] and college (NCAA) levels.[314].

A maioria dos esportes mais importantes do país evoluíram de práticas europeias, como o basquete, o voleibol, a animação e o snowboarding são esportes criados dentro do território nacional. O lacrosse e o surfe surgiram de povos ameríndios e nativos do Havaí. O Comitê Olímpico dos Estados Unidos organizou, em 1904, os Jogos Olímpicos de Verão, em St. Louis, Missouri; os Jogos de Los Angeles em 1932 e 1984 e mais recentemente os Jogos de Atlanta em 1996. Em 2004, os Estados Unidos conseguiram um total de 103 medalhas, das quais 35 eram de ouro. O país conquistou, ao total, 2 301 medalhas em Jogos Olímpicos de Verão,[315][316] onde é o país que mais venceu, e 216 nos Jogos Olímpicos de Inverno, onde é o segundo país no ranking total, atrás apenas da Noruega.[317]

Culinária

  O hambúrguer é um tipo de comida muito comum nos Estados Unidos.[318]

As principais artes culinárias estadunidenses são semelhantes às de outros países ocidentais. O trigo é o principal cereal.[319] A cozinha tradicional estadunidense utiliza ingredientes como peru, veado, carne de cervo de rabo branco, batata, batata doce, milho, abóbora e xarope de bordo, alimentos utilizados pelos povos nativos americanos e pelos colonizadores europeus.[320][321][322] Carne de porco lentamente cozida e churrasco de carne, crabcakes, batata frita e cookies de chocolate são pratos distintamente estadunidenses. A soul food, desenvolvida por escravos africanos, é popular em todo o Sul e entre muitos afro-americanos em todo o país.[323] O sincretismo, como o presente nas culinárias crioula da Louisiana, Cajun e Tex-Mex, é regionalmente importante.[324]

Pratos característicos como a torta de maçã, frango frito, pizza, hambúrgueres e cachorros-quentes decorrem das receitas de diversos imigrantes. Batatas fritas, pratos mexicanos como tacos e burritos e pratos de massas livremente adotados a partir de fontes italianas são amplamente consumidos.[325] Estadunidenses geralmente preferem café a chá. O marketing feito por indústrias do país é largamente responsável pela onipresença de suco de laranja e leite no café da manhã.[326] Durante os anos 1980 e 1990, a ingestão calórica dos estadunidenses aumentou 24%;[325] as frequentes refeições de fast food estão associadas com o que as autoridades de saúde chamam a "epidemia de obesidade" nos Estados Unidos. Refrigerantes adoçados são amplamente populares; bebidas adoçadas são responsáveis por 9% da ingestão calórica do estadunidense médio.[327][328]

Mídia

A primeira exposição comercial de filme do mundo foi feita em Nova Iorque em 1894, usando o cinetoscópio de Thomas Edison. No ano seguinte foi feita a primeira exibição comercial de um filme projetado, também em Nova York, e os Estados Unidos estavam na vanguarda do desenvolvimento do cinema sonoro nas décadas seguintes. Desde o início do século XX, a indústria cinematográfica estadunidense tem sido largamente sediada nos arredores de Hollywood, na Califórnia. O diretor D. W. Griffith foi central para o desenvolvimento da gramática cinematográfica, e o filme Cidadão Kane (1941) de Orson Welles é frequentemente citado como o melhor filme de todos os tempos.[329] Atores cinematográficos estadunidenses como John Wayne e Marilyn Monroe se tornaram figuras icónicas, enquanto o produtor/empresário Walt Disney foi um líder em filmes animados e de merchandising. Os grandes estúdios cinematográficos de Hollywood têm produzido os filmes de maior sucesso comercial da história, como Star Wars (1977) e Titanic (1997), e os produtos de Hollywood hoje dominam a indústria cinematográfica mundial.[330]

Os estadunidenses são os maiores espectadores de televisão do mundo,[331] e o tempo médio de visualização continua a aumentar, chegando a cinco horas por dia em 2006.[332] As quatro grandes redes de televisão do país são todas entidades comerciais. Estadunidenses ouvem programas de rádio, também largamente comercializado, em média, pouco mais de duas horas e meia por dia.[333] Além de portais e motores de busca, os sites mais populares no país são o Facebook, YouTube, Wikipédia, Blogger, eBay, Google e Craigslist.[334]

Os estilos rítmicos e vocais da música negra estadunidense influenciaram profundamente a música estadunidense em geral, distinguindo-a das tradições europeias. Elementos da música folclórica, como o blues e o que é agora conhecido como old-time music, foram aprovadas e transformadas em gêneros populares com público global. O jazz foi desenvolvido por artistas inovadores, tais como Louis Armstrong e Duke Ellington no início do século XX. A música country foi desenvolvida na década de 1920, e o rhythm and blues na década de 1940. Elvis Presley e Chuck Berry foram um dos pioneiros do rock and roll em meados dos anos 1950. Em 1960, Bob Dylan surgiu a partir do american folk music revival para se tornar um dos compositores mais célebres do país e James Brown liderou o desenvolvimento do funk. Mais recentes criações musicais estadunidenses incluem o rap e a house music. Astros pop estadunidenses como Elvis Presley, Michael Jackson e Madonna tornaram-se celebridades globais.[335]

Literatura, filosofia e artes

  Jack Kerouac, uma das figuras mais conhecidas da Geração Beat, um grupo de escritores que se destacaram nos anos 1950.

No século XVIII e início do século XIX, a arte e a literatura estadunidense tinham a maioria das suas influências da Europa. Escritores como Nathaniel Hawthorne, Edgar Allan Poe e Henry David Thoreau estabeleceram uma voz literária estadunidense distinta em meados do século XIX. Mark Twain e o poeta Walt Whitman foram figuras importantes na segunda metade do século; Emily Dickinson, praticamente desconhecida durante sua vida, é agora reconhecida como uma poetisa estadunidense fundamental.[336] Algumas obras são consideradas sínteses dos aspectos fundamentais da experiência nacionais e caráter, como Moby Dick (1851) de Herman Melville,[337] As Aventuras de Huckleberry Finn (1885) de Mark Twain[338] e The Great Gatsby (1925) de F. Scott Fitzgerald, obra apelidada de "Great American Novel".[339]

Onze cidadãos estadunidenses ganharam o Prêmio Nobel de Literatura, mais recentemente, Toni Morrison, em 1993. Ernest Hemingway, Prêmio Nobel de 1954, é muitas vezes apontado como um dos escritores mais influentes do século XX.[340] Gêneros literários populares, como a ficção ocidental e a Hard Boiled foram desenvolvidas nos Estados Unidos.[341] Os escritores da Geração Beat abriram novas abordagens literárias, assim como os autores pós-modernos, tais como John Barth, Thomas Pynchon e Don DeLillo.[341]

Os transcendentalistas, liderados por Thoreau e Ralph Waldo Emerson, estabeleceram o primeiro grande movimento filosófico estadunidense.[342] Após a Guerra Civil, Charles Sanders Peirce e William James e John Dewey foram os líderes no desenvolvimento do pragmatismo. No século XX, o trabalho de W. V. O. Quine e Richard Rorty, construído em cima de Noam Chomsky, trouxe a filosofia analítica à frente dos acadêmicos estadunidenses. John Rawls e Robert Nozick levaram o renascimento da filosofia política.[342]

Nas artes visuais, a Escola do Rio Hudson foi um movimento de meados do século XIX, na tradição do naturalismo europeu. O Armory Show de 1913, em Nova York, uma exposição de arte moderna europeia, chocou o público e transformou a cena artística estadunidense.[343] Georgia O'Keeffe, Marsden Hartley e outras experiências com novos estilos, exibindo uma sensibilidade muito individualista.[344] Importantes movimentos artísticos como o expressionismo abstrato de Jackson Pollock e Willem de Kooning e da arte pop de Andy Warhol e Roy Lichtenstein foram desenvolvidos em grande parte nos Estados Unidos.[344][345] A maré do modernismo e pós-modernismo trouxe fama para arquitetos estado-unidenses, como Frank Lloyd Wright, Philip Johnson e Frank Gehry.[344][345]

  Times Square em Nova Iorque, parte do distrito de teatros da Broadway, sede de famosas peças teatrais.

Um dos primeiros promotores principais do teatro estadunidense foi o empresário P. T. Barnum, que começou um complexo de entretenimento em Manhattan em 1841. A equipe de Harrigan e Hart produziu uma série de comédias musicais populares em Nova York no final dos anos 1870. No século XX, a forma moderna de musicais surgiu na Broadway, as canções de compositores de teatro musical, como Irving Berlin, Cole Porter e Stephen Sondheim, tornaram-se padrões pop. O dramaturgo Eugene O'Neill ganhou o Prêmio Nobel de literatura em 1936.[346] Outros dramaturgos estadunidenses aclamados incluem vários vencedores do Prêmio Pulitzer como Tennessee Williams, Edward Albee e August Wilson.[347]

Apesar de largamente ignorado na época, o trabalho de Charles Ives na década de 1910 estabeleceu-o como o primeiro grande compositor estadunidense na tradição clássica; outros experimentalistas, tais como Henry Cowell e John Cage, criaram uma abordagem estadunidense de composição clássica. Aaron Copland e George Gershwin desenvolveram uma síntese única de música popular e clássica. As coreógrafas Isadora Duncan e Martha Graham ajudaram a criar a dança moderna, enquanto George Balanchine e Jerome Robbins eram líderes no balé do século XX. Os estadunidenses têm sido importantes no meio artístico da fotografia moderna, com grandes fotógrafos, incluindo Alfred Stieglitz, Edward Steichen e Ansel Adams. As tirinhas de jornais e os comics são inovações estadunidenses. Superman, o super-herói dos quadrinhos por excelência, tornou-se um ícone estadunidense.[348]

Feriados

Data[349] Nome em português Nome local Observações
1º de janeiro Ano Novo New Year's Day Início do novo ano civil
Terceira segunda-feira de janeiro Dia de Martin Luther King, Jr. Martin Luther King, Jr. Day Em memória do líder cívico pelos direitos das minorias
Terceira segunda-feira de fevereiro Dia do Presidente Presidents' Day Em honra aos antigos Presidentes do país, em especial Washington e Lincoln
Última segunda-feira de maio Dia da Memória Memorial Day Em honra aos que morreram em serviço da nação
4 de julho Dia da Independência Independence Day Celebra a declaração da independência
Primeira segunda-feira de setembro Dia do trabalho Labor Day Feriado em homenagem aos trabalhadores da nação.
Segunda segunda-feira de outubro Dia de Colombo Columbus Day Assinala a descoberta da América por Cristóvão Colombo
11 de novembro Dia dos Veteranos Veteran's Day Tradicionalmente, às 11 horas da manhã observa-se um momento de silêncio pelos que lutaram pela paz
Quarta quinta-feira de novembro Ação de Graças Thanksgiving Dia de agradecimento a Deus pelas Suas dádivas e bênçãos
25 de dezembro Natal Christmas Nascimento de Jesus Cristo

Ver também

Portal A Wikipédia possui o portal:
Portal dos Estados Unidos
{{{Portal2}}}
{{{Portal3}}}
{{{Portal4}}}
{{{Portal5}}}

Notas

  1. O inglês é o de facto. Porém, vários estados especificam o inglês como idioma oficial do Estado. Alguns estados também especificam um segundo idioma oficial.[3][4]
  2. A União Europeia tem uma economia coletiva maior, mas não é uma nação individual.

Referências

  1. a b Dicionário InFormal. Ianque. Página visitada em 10 de janeiro de 2011.
  2. a b Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Estado-unidense. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  3. a b c Estados Unidos da América. Portal São Francisco. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  4. a b c Estados Unidos da América. Top Vistos. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  5. a b c d United States. Fundo Monetário Internacional. Página visitada em 09 de outubro de 2011.
  6. a b DeNavas-Walt, Carmen, Bernadette D. Proctor, and Jessica Smith (agosto 2008). Income, Poverty, and Health Insurance Coverage in the United States: 2007. U.S. Census Bureau. Página visitada em 13-11-2008.
  7. Human Development Index (HDI) value (em inglês). PNUD. Página visitada em 2 de novembro de 2011.
  8. a b c d Adams, J.Q., and Pearlie Strother-Adams (2001). Dealing with Diversity. Chicago: Kendall/Hunt. ISBN 0-7872-8145-X.
  9. a b c World Economic Outlook Database. International Monetary Fund (October 2008). Página visitada em 27-10-2008.
  10. Dull, Jonathan R. (2003). "Diplomacy of the Revolution, to 1783," p. 352, chap. in A Companion to the American Revolution, ed. Jack P. Greene and J. R. Pole. Maiden, Mass.: Blackwell, pp. 352–361. ISBN 1-4051-1674-9.
  11. Maddison, Angus (2006). Historical Statistics for the World Economy. The Groningen Growth and Development Centre, Economics Department of the University of Groningen. Página visitada em 6-11-2008.
  12. "US, Allies' Share of World Military Spending Shrinking—Study", Reuters, 7 de julho de 2011. Página visitada em 8 de agosto de 2011.
  13. Cohen, Eliot A. (julho/agosto de 2004). History and the Hyperpower. Foreign Affairs. Página visitada em 14-7-2006. Country Profile: United States of America. BBC News (22 de abril de 2008). Página visitada em 18-5-2008.
  14. Cartographer Put 'America' on the Map 500 years Ago (em inglês). USA Today.com (2007). Página visitada em 26 de junho de 2010.
  15. The Charters of Freedom (em inglês). Archives.gov (2010). Página visitada em 26-7-2010.
  16. Artigo primeiro dos Artigos da Confederação. Veja Texto completo (em inglês)
  17. The Gentleman's Magazine, Vol. 8, junho de 1738, p. 285
  18. Proceedings of the Massachusetts Historical Society, Dec. 1885, pp. 159-165
  19. McClure, James (12 de junho de 2008). A Primer: The 'First Capital' Debate. YDR.com. Página visitada em 26-7-2010.
  20. Estados Unidos. Brasil Escola (2002-2010). Página visitada em 16-2-2011.
  21. Significado de Estadunidense. dicionário online de português. Página visitada em 10 de janeiro de 2011.
  22. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. norte-americano. Página visitada em 1 de maio de 2011.
  23. ianque. www.infopedia.pt. Infopedia. Página visitada em 21 de fevereiro de 2011.
  24. Yankee (em inglês). www.thefreedictionary.com. The Free Dictionary. Página visitada em 21 de fevereiro de 2011.
  25. Peopling of Americas. Smithsonian Institution, National Museum of Natural History (June 2004). Arquivado do original em 28-11-2007. Página visitada em 19-6-2007.
  26. Meltzer, D.J.. (1992). "How Columbus Sickened the New World: Why Were Native Americans So Vulnerable to the Diseases European Settlers Brought With Them?". New Scientist.
  27. Grandes Navegações. Sua pesquisa.com. Página visitada em 13-1-2011.
  28. Juan Ponce De Leon (em inglês). Jupiter Kids History. Página visitada em 13-1-2011.
  29. Biography (em inglês). Página visitada em 13-1-2011.
  30. MIAMI.. World Press.com. Página visitada em 13-1-2011.
  31. Continente Americano. conteudo@algosobre.com.br. Página visitada em 13-1-2011.
  32. Alex Catharino (4 de julho de 2007). Raízes coloniais da Revolução Norte-Americana. CIEEP. Página visitada em 13-1-2011.
  33. British Convicts Shipped to American Colonies. American Historical Review 2. Smithsonian Institution, National Museum of Natural History (October 1896). Página visitada em 2007-06-21.
  34. Julio Cezar Melatti. Costa Oriental. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.
  35. Russell, David Lee (2005). The American Revolution in the Southern Colonies. Jefferson, N.C., and London: McFarland, p. 12. ISBN 0-7864-0783-2.
  36. Charles A. Goodrich. Carolina Colonies - A Brief History (em inglês). Página visitada em 13-1-2011.
  37. História da América. Página visitada em 13-1-2011.
  38. Rodrigo Fautinoni Bonciani (2010). Soberania e Escravidão. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.
  39. Araújo, A. Ana Paula de. Independência dos Estados Unidos da América. InfoEscola. Página visitada em 13-1-2011.
  40. A Guerra Franco-Indígena. Página visitada em 13 de janeiro de 2011.
  41. Blackburn, Robin (1998). The Making of New World Slavery: From the Baroque to the Modern, 1492–1800. London and New York: Verso, p. 460. ISBN 1-85984-195-3.
  42. Independência dos Estados Unidos. Página visitada em 13-1-2011.
  43. Ficha La Declaración de Independencia (em espanhol). Arte Historia.com (2010). Página visitada em 1-7-2010.
  44. a b História dos Estados Unidos. InfoEscola. Página visitada em 14-1-2011.
  45. a b Brasil Escola. Estados Unidos da América. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  46. a b c d Departamento de Estado dos Estados Unidos. Enmiendas a la Constitución comentadas. America.gov. Página visitada em 1-7-2010.
  47. Iglesia Evangélica del Pueblo Nuevo. Dirigentes del Segundo Gran Despertar. Iglesia Pueblo Nuevo.es.
  48. a b c d e Departamento de Estado (2009). Los estados de Estados Unidos (em espanhol). America.gov. Página visitada em 1 de julio de 2010.
  49. Morrison, Michael A. (1999). Slavery and the American West: The Eclipse of Manifest Destiny and the Coming of the Civil War. Chapel Hill: University of North Carolina Press, pp. 13–21. ISBN 0-8078-4796-8.
  50. Bisonte Americano (em espanhol). Zoo Web Plus.com. Página visitada em 1-7-2010.
  51. GUERRA DA SECESSÃO - Um dos episódios mais sangrentos dos EUA e da saga de Tex. Página visitada em 14-1-2011.
  52. Guerra de Secessão. Página visitada em 14-1-2011.
  53. 1860 Census. U.S. Census Bureau. Página visitada em 10-6-2007. A página 7 lista uma população escrava total de 3.953.760.
  54. De Rosa, Marshall L. (1997). The Politics of Dissolution: The Quest for a National Identity and the American Civil War. Edison, NJ: Transaction, p. 266. ISBN 1-56000-349-9.
  55. John Simkin. Jim Crow Laws (em inglés). Spartacus Schoolnet.co.uk. Página visitada em 1 de julho de 2010.
  56. Gates, John M. (agosto de 1984). War-Related Deaths in the Philippines. Pacific Historical Review. College of Wooster. Página visitada em 27-9-2007.
  57. Gates, John M. (2002). War-Related Deaths in the Philippines (em inglês). Pacific Historical Review. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  58. República das Filipinas (04/07/1946). Página visitada em 13-1-2011.
  59. História das Filipinas. Página visitada em 13-1-2011.
  60. Teodoro A. Agoncillo. The Proclamation of Philippine Independence (em inglês). Filipino.biz.ph. Página visitada em 13-1-2011.
  61. Is Guam still a part of the U.S. and can the Guamese vote in national elections? (em inglês). Answer. Página visitada em 13-1-2011.
  62. Puerto Rico still deserves independence. Puerto Rico still deserves independence (em inglês). Página visitada em 13-1-2011.
  63. Foner, Eric, and John A. Garraty (1991). The Reader's Companion to American History. New York: Houghton Mifflin, p. 576. ISBN 0-395-51372-3.
  64. McDuffie, Jerome, Gary Wayne Piggrem, and Steven E. Woodworth (2005). U.S. History Super Review. Piscataway, NJ: Research & Education Association, p. 418. ISBN 0-7386-0070-9.
  65. Departamento de Estado (2010). De Hoover a Rossevelt: transición en un momento de crisis (em espanhol). America.gov. Página visitada em 1 de julho de 2010.
  66. Bill Ganzel (2003). The Dust Bowl of the 1930s (em inglês). Living History Farm.org. Página visitada em 1-7-2010.
  67. Burton, Jeffrey F., et al. (julho de 2000). A Brief History of Japanese American Relocation During World War II. Confinement and Ethnicity: An Overview of World War II Japanese American Relocation Sites. National Park Service. Página visitada em 2 de abril de 2010.
  68. Kennedy, Paul (1989). The Rise and Fall of the Great Powers. New York: Vintage, p. 358. ISBN 0670728197.
  69. The United States and the Founding of the United Nations, August 1941 – October 1945. Departamento de Estado dos Estados Unidos, Gabinete de Assuntos Públicos, Escritório do Historiador (October 2005). Arquivado do original em 12-6-2007. Página visitada em 11-6-2007.
  70. Pacific War Research Society (2006). Japan's Longest Day. New York: Oxford University Press. ISBN 4-7700-2887-3.
  71. Antonio Carlos Olivieri. Liberalismo e democracia - As bases filosóficas da democracia. Pedagogia & Comunicação. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  72. a b Carlos Brazil (27 de junho de 2007). A Humanidade no pós-Segunda Guerra. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  73. Walter Laqueur. Fim da Guerra Fria-Parte 1. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  74. a b c Departamento de Estado (2008). La Guerra Fría, el conflicto de Corea y Vietnam (em espanhol). America.gov. Página visitada em 1 de julho de 2010.
  75. Orivaldo Leme Biagi. O anti-comunismo norte-americano e a produção de ficção científica da década de 50. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  76. Unidad Editorial Internet (2009). 1969: El hombre llega a la Luna (em español). El Mundo.es. Página visitada em 1 de julio de 2010.
  77. Fundación Nobel (1964). Martin Luther King - Biography (em inglés). Nobel Prize.org. Página visitada em 1 de julio de 2010.
  78. Cokie Roberts and Steve Inskeep (2 de julho de 2004). Lyndon Johnson's Fight for Civil Rights (em inglês). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  79. Voting Rights Act (1965) (em inglês). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  80. Contracultura. Sua pesquisa.com. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  81. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês).
  82. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês).
  83. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês).
  84. El escándalo que acabó con la carrera de Richard Nixon (em español). El Mundo.es (2006). Página visitada em 1 de julho de 2010.
  85. Voyce, Bill (2006-08-21). Why the Expansion of the 1990s Lasted So Long. Iowa Workforce Information Network. Página visitada em 16 de agosto de 2007.
  86. Voyce, Bill (2006). Why the Expansion of the 1990s Lasted So Long (em inglés). State.ia.us. Página visitada em 27 de junio de 2010.
  87. Brinkley, Douglas. 36 Days: The Complete Chronicle of the 2000 Presidential Election Crisis (em inglés). [S.l.]: Times Books (ed.), 2001. ISBN 0-8050-6850-3
  88. Many Europeans Oppose War in Iraq. USA Today (14 de fevereiro de 2003). Página visitada em 1º de setembro de 2008.
  89. Springford, John (December 2003). 'Old’ and ‘New’ Europeans United: Public Attitudes Towards the Iraq War and US Foreign Policy. Centre for European Reform. Página visitada em 1º de setembro de 2008.
  90. La Nación (2010). Más de US$ 125 mil millones se pagaron por daños naturales (em espanhol). Sector Productivo.com.py. Página visitada em 1º de julho de 2010.
  91. a b Aprovada reforma da Saúde nos Estados Unidos (22 de março de 2010). Página visitada em 11 de fevereiro de 2011.
  92. BP Oil Spill Is Now The Largest Ever In Gulf. CBS/Associated Press (2010-07-01). Página visitada em 1º de julho de 2010.
  93. Lubowski, Ruben, Marlow Vesterby, and Shawn Bucholtz (2006-07-21). AREI Chapter 1.1: Land Use. Economic Research Service. Página visitada em 2009-03-09.
  94. a b c d e United States. The World Factbook. CIA (2009-09-30). Página visitada em 2010-01-05. (area given in square kilometers)
  95. Population by Sex, Rate of Population Increase, Surface Area and Density. Demographic Yearbook 2005. UN Statistics Division. Página visitada em 2008-03-25. (area given in square kilometers)
  96. United States. Encyclopedia Britannica. Página visitada em 25 de março de 2008.
  97. World Factbook: Area Country Comparison Table. Yahoo Education. Página visitada em 28 de fevereiro de 2007.
  98. Relevo dos EUA. Web Busca. Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  99. a b c d e Relevo e Hidrografia dos Estados Unidos. Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  100. Recordes Mundiais de Geografia Física (Maiores Rios do Mundo). NotaPositiva. Página visitada em 16 de Dezembro de 2010.
  101. Mount McKinley, Alaska (em inglês). Peakbagger.com. Página visitada em 1 de fevereiro de 2010.
  102. CIA (2006). Field Listing :: Elevation extremes (em inglês). Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  103. CIA. North America :: United States (em inglês). Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  104. O'Hanlon, Larry. Supervolcano: What's Under Yellowstone?. Discovery Channel. Página visitada em 13 de junho de 2007.
  105. A geografia dos Estados Unidos. Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  106. O clima dos Estados Unidos. Página visitada em 16 de fevereiro de 2011.
  107. Perkins, Sid (2002-05-11). Tornado Alley, USA. Science News. Arquivado do original em 2007-07-01. Página visitada em 2006-09-20.
  108. Morin, Nancy. Vascular Plants of the United States. Plants. National Biological Service. Página visitada em 2008-10-27.
  109. Global Significance of Selected U.S. Native Plant and Animal Species. SDI Group (2001-02-09). Página visitada em 2009-01-20.
  110. Numbers of Insects (Species and Individuals). Smithsonian Institution. Página visitada em 2009-01-20.
  111. National Park Service Announces Addition of Two New Units. National Park Service (2006-02-28). Página visitada em 2006-06-13.
  112. a b Federal Land and Buildings Ownership. Republican Study Committee (2005-05-19). Página visitada em 2009-03-09.
  113. Oficina Nacional del Censo (2010). U.S. POPClock Projection (em inglês). Census.gov. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  114. Camarota, Steven A., and Karen Jensenius (July 2008). Homeward Bound: Recent Immigration Enforcement and the Decline in the Illegal Alien Population. Center for Immigration Studies. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  115. a b Executive Summary: A Population Perspective of the United States. Population Resource Center (May 2000). Arquivado do original em 2007-06-04. Página visitada em 2007-12-20.
  116. Rank Order—Birth Rate. The World Factbook. CIA (2009). Página visitada em 11 de outubro de 2009.
  117. “U.S. Legal Permanent Residents: 2009”. Office of Immigration Statistics Annual Flow Report.
  118. Persons Obtaining Legal Permanent Resident Status by Region and Country of Birth: Fiscal Years 1998 to 2007 (Table 3). U.S. Dept. of Homeland Security. Página visitada em 2008-09-06.
  119. a b Ancestry 2000. U.S.Census Bureau (June 2004). Página visitada em 13-6-2007.
  120. a b c d e Annual Estimates of the Population by Sex, Race, and Hispanic Origin for the United States: April 1, 2000 to July 1, 2008 (NC-EST2008-03). U.S. Census Bureau, Divisão de População (1 de maio de 2009). Página visitada em 23-7-2009.
  121. http://www.census.gov/prod/cen2010/briefs/c2010br-02.pdf
  122. B03001. Hispanic or Latino Origin by Specific Origin. 2007 American Community Survey. U.S. Census Bureau. Página visitada em 26-9-2008.
  123. Tables 41 and 42—Native and Foreign-Born Populations. Statistical Abstract of the United States 2009. U.S. Census Bureau. Página visitada em 11-10-2009.
  124. a b Portal do Intercâmbio (2008). População. Página visitada em 12-1-2011.
  125. http://backintyme.com/essays/item/5
  126. http://www.disabled-world.com/health/cancer/racial-disparities.php
  127. http://www.disabled-world.com/health/cancer/racial-disparities.php
  128. http://www.dailymail.co.uk/news/article-2007181/Majority-babies-U-S-born-ethnic-minorities.html#ixzz1Q9VZKFbo
  129. http://www.nytimes.com/2012/05/17/us/whites-account-for-under-half-of-births-in-us.html?_r=3&pagewanted=1&hp
  130. a b c d e Religious Composition of the U.S.. U.S. Religious Landscape Survey. Pew Forum on Religion & Public Life (2007). Página visitada em 2008-10-23.
  131. Among Wealthy Nations...U.S. Stands Alone in its Embrace of Religion. Pew Global Attitudes Project. Pew Research Center (2002-12-19). Página visitada em 2008-10-23.
  132. a b c American Religious Identification Survey. CUNY Graduate Center (2001). Página visitada em 2007-06-17.
  133. Green, John C. The American Religious Landscape and Political Attitudes: A Baseline for 2004. University of Akron. Página visitada em 2007-06-18.
  134. Table 52—Languages Spoken at Home by Language: 2006. Statistical Abstract of the United States 2009. U.S. Census Bureau. Página visitada em 2009-10-11.
  135. Foreign Language Enrollments in United States Institutions of Higher Learning. MLA (fall 2002). Página visitada em 2006-10-16.
  136. Feder, Jody (2007-01-25). English as the Official Language of the United States—Legal Background and Analysis of Legislation in the 110th Congress. Ilw.com (Congressional Research Service). Página visitada em 2007-06-19.
  137. The Constitution of the State of Hawaii, Article XV, Section 4. Hawaii Legislative Reference Bureau (1978-11-07). Página visitada em 2007-06-19.
  138. Dicker, Susan J.. Languages in America: A Pluralist View. Clevedon, UK: Multilingual Matters, 2003. 216, 220–25 p. ISBN 1853596515
  139. California Code of Civil Procedure, Section 412.20(6). Legislative Counsel, State of California. Página visitada em 2007-12-17.
  140. California Judicial Council Forms. Judicial Council, State of California. Página visitada em 2007-12-17.
  141. a b Ficha dos Estados Unidos. Consulado dos Estados Unidos. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  142. Samoa. Portal São Francisco. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  143. Takanori Shimodate. Chamoru (em inglês). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  144. Porto Rico. Portal São Francisco. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  145. Qual é a diferença entre o FBI e a CIA?. Geomundo. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  146. Como funciona a agência U.S. Marshals Service. HowStuffWorks. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  147. William Burnham, Introduction to the Law and Legal System of the United States, 4th ed. (St. Paul, MN: Thomson West, 2006), 41.
  148. Eighth United Nations Survey of Crime Trends and Operations of Criminal Justice Systems (2001–2002). United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC) (2005-03-31). Página visitada em 2008-05-18.
  149. Krug, E.G, K.E. Powell, and L.L. Dahlberg. (Apr 1998). "Firearm-Related Deaths in the United States and 35 Other High- and Upper-Middle Income Countries". International Journal of Epidemiology 7 (2): 214–221. DOI:10.1093/ije/27.2.214. ISSN 0300-5771. PMID 9602401.
  150. a b c Maire Gannon. CRIME COMPARISONS BETWEEN CANADA AND THE UNITED STATES. Juristat. Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  151. Wilcox, Clyde; Bruce, John W. (1998). The changing politics of gun control. Lanham, Md: Rowman & Littlefield. pp. 1–4. ISBN 0-8476-8614-0. Veja outras boas fontes no artigo Gun politics in the United States
  152. a b c New Incarceration Figures: Thirty-Three Consecutive Years of Growth. Sentencing Project (December 2006). Página visitada em 2007-06-10.
  153. Walmsley, Roy (2005). World Prison Population List (PDF). King's College London, International Centre for Prison Studies. Arquivado do original em 2007-06-28. Página visitada em 2007-10-19. For the latest data, see Prison Brief for United States of America. King's College London, International Centre for Prison Studies (2006-06-21). Arquivado do original em 2007-08-04. Página visitada em 2007-10-19. For other estimates of the incarceration rate in China and North Korea see Adams, Cecil (2004-02-06). Does the United States Lead the World in Prison Population?. The Straight Dope. Página visitada em 2007-10-11.
  154. Pew Report Finds More than One in 100 Adults are Behind Bars. Pew Center on the States (2008-02-28). Página visitada em 2008-03-02.
  155. Incarceration Rate, 1980–2005. U.S. Dept. of Justice, Bureau of Justice Statistics (2006). Arquivado do original em 2007-06-11. Página visitada em 2007-06-10.
  156. Entire World—Prison Population Rates per 100,000 of the National Population. King's College London, International Centre for Prison Studies (2007). Arquivado do original em 2007-08-24. Página visitada em 2007-10-19.
  157. The Impact of the War on Drugs on U.S. Incarceration. Human Rights Watch (May 2000). Página visitada em 2007-06-10.
  158. Executions in the United States in 2007. Death Penalty Information Center. Página visitada em 2007-06-15.
  159. Executions Around the World. Death Penalty Information Center (2007). Página visitada em 2007-06-15.
  160. Nova Jersey põe fim à pena de morte no Estado. Estadão.com.br (17 de dezembro de 2007). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  161. Folha.com (14 de dezembro de 2007). Nova Jersey aprova fim da pena de morte. Folha.com. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  162. Governador do Novo México assina lei que proíbe a pena de morte (19 de março de 2009). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  163. Central Intelligence Agency (2008). Field Listing :: Urbanization (em inglês). Página visitada em 14-1-2008.
  164. United States—Urban/Rural and Inside/Outside Metropolitan Area (GCT-P1. Population, Housing Units, Area, and Density: 2000). U.S. Census Bureau (1 de abril de 2000). Página visitada em 23-9-2008.
  165. GCT-PH1 - Population, Housing Units, Area, and Density: 2010 - State -- Place and (in selected states) County Subdivision (em inglês). United States Census Bureau. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  166. a b c d e Política de Nova Iorque, Visão Geral EUA. Easy Expat.com. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  167. Scheb, John M., and John M. Scheb II (2002). An Introduction to the American Legal System. Florence, KY: Delmar, p. 6. ISBN 0-7668-2759-3.
  168. a b c d Departamento de Estado (2008). La Constitución de Estados Unidos con notas explicativas (em espanhol). America.gov. Página visitada em 1 de julho de 2010.
  169. A Constituição dos Estados Unidos da América. Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  170. Como é eleito o Presidente dos EUA. MUndo Educação. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  171. Como funcionam as eleições nos EUA. Terra.com. Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  172. Republicanos podem reaver também o Senado, dizem pesquisas nos EUA. Expressomt (11 de janeiro de 2010). Página visitada em 28 de janeiro de 2011.
  173. Oscar Rodríguez Díaz (2004). El proceso electoral en Estados Unidos (em espanhol). El Habanero.com. Página visitada em 16 de novembro de 2010.
  174. Juiz da Suprema Corte dos EUA se aposenta este ano; Obama indicará substituto. Folha.com (4 de setembro de 2010). Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  175. Governo do Nebraska (2010). History of Nebraska Unicameral (em inglês). Nebraska Legislature.gov. Página visitada em 1 de julho de 2010.
  176. Scheb, John M., and John M. Scheb II (2002). An Introduction to the American Legal System. Florence, KY: Delmar, p. 6. ISBN 0-7668-2759-3
  177. Departamento de Estado (2010). Websites of U.S. embassies, consulates and diplomatic missions (em inglês). US Embassy.gov. Página visitada em 2 de julho de 2010.
  178. UOL (17 de janeiro de 2011). Cuba: medidas dos EUA são muito limitadas e mantêm o embargo intacto. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  179. BBC Brasil (14 de julho de 2010). Cientista nuclear iraniano deixa os EUA rumo a Teerã. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  180. Coréia do Norte e EUA iniciam conversações históricas. Folha.com (6 de março de 2007). Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  181. UOL Notícias (28 de março de 2010). "Sinto-me completamente seguro", afirma presidente sudanês. BOL Notícias. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  182. Venda de armas a Taiwan faz China suspender intercâmbios com EUA. Último Segundo (30 de janeiro de 2010). Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  183. Shah, Anup (2009-04-13). US and Foreign Aid Assistance. GlobalIssues.org. Página visitada em 2009-10-11.
  184. The Air Force in Facts and Figures (Armed Forces Manpower Trends, End Strength in Thousands). Air Force Magazine (maio 2009). Página visitada em 9 de outubro de 2009.
  185. Base Structure Report, Fiscal Year 2008 Baseline. Department of Defense. Página visitada em 2009-10-09.
  186. Department of Defense Active Duty Military Personnel Strengths by Regional Area and by Country (309A). Global Policy Forum (2008-03-31). Página visitada em 2009-10-09.
  187. Ikenberry, G. John (março/April 2004). Illusions of Empire: Defining the New American Order. Foreign Affairs. Kreisler, Harry, and Chalmers Johnson (29 de janeiro de 2004). Conversations with History. University of California at Berkeley. Página visitada em 21 de junho de 2007.
  188. The Fifteen Major Spender Countries in 2008. Stockholm International Peace Research Institute. Página visitada em 9 de outubro de 2009.
  189. FY 2010 Budget Request Summary Justification. Department of Defense. Página visitada em 9 de outubro de 2009.
  190. Tan, Michelle (30 de setembro de 2009). As Debate Continues, 30,000 Soldiers Ready to Deploy to Afghanistan. Defense News (Army Times). Página visitada em 11 de outubro de 2009.
  191. Operation Iraqi Freedom. Iraq Coalition Casualty Count (9 de outubro de 2009). Página visitada em 9 de outubro de 2009.
  192. Operation Enduring Freedom. Iraq Coalition Casualty Count (9 de outubro de 2009). Página visitada em 9 de outubro de 2009.
  193. UOL (21 de agosto de 2009). 1959: Havaí torna-se estado norte-americano (em português). Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  194. Portal São Francisco. Cronologia da História da América. Página visitada em 11 de janeiro de 2011.
  195. Texas v. White, 74 U.S. 700 (1868) at Cornell University Law School Supreme Court collection.
  196. Aleksandar Pavković, Peter Radan, Creating New States: Theory and Practice of Secession, p. 222, Ashgate Publishing, Ltd., 2007.
  197. Raskin, James B. (2003). Overruling Democracy: The Supreme Court Vs. the American People. London and New York: Routledge, pp. 36–38. ISBN 0-415-93439-7.
  198. Employment Situation Summary. U.S. Dept. of Labor (2010-02-05). Página visitada em 2010-02-06.
  199. Gross Domestic Product, 4th Quarter 2011 and Annual 2011 (Advance Estimate). Bureau of Economic Analysis (2012-01-27). Página visitada em 2012-02-03.
  200. Consumer Price Index: December 2009. Bureau of Labor Statistics (2010-01-15). Página visitada em 2010-02-07.
  201. Debt Statistics. U.S. Dept. of the Treasury. Página visitada em 2010-01-07.
  202. a b c Income, Poverty, and Health Insurance Coverage in the United States: 2010. U.S. Census Bureau (2010-09-14). Página visitada em 2011-09-16.
  203. Lederman, Daniel e William Maloney. Natural Resources: Neither Curse Nor Destiny. [S.l.]: Banco Mundial, 2007. p. 185. ISBN 0-8213-6545-2
  204. "May trade deficit falls to lowest in almost 10 years". USA Today, 10 de julho de 2009.
  205. Top Ten Countries with which the U.S. Trades. U.S. Census Bureau (agosto 2009). Página visitada em 2009-10-12.
  206. Factbox: U.S.-China Interdependence Outweighs Trade Spat. Reuters (2009-09-23). Página visitada em 2007-09-25.
  207. Grynbaum, Michael A. (1 de dezembro de 2008). Dow Plunges 680 Points as Recession Is Declared. The New York Times. Página visitada em 1-12-2008.
  208. Fórum Econômico Mundial. Table 4: The Global Competitiveness Index 2009–2010 Rankings and 2008–2009 Comparisons. Página visitada em 9-9-2009.
  209. Government Spending Overview. usgovernmentspending.com. Página visitada em 2009-05-09.
  210. a b USA Economy in Brief. Departamento de Estado dos Estados Unidos, Programas de Informação Internacional. Página visitada em 12-3-2008.
  211. Rank Order—Oil (Production). The World Factbook. Central Intelligence Agency. Página visitada em 12-10-2009.
  212. Rank Order—Oil (Consumption). The World Factbook. Central Intelligence Agency. Página visitada em 12-10-2009.
  213. Crude Oil and Total Petroleum Imports Top 15 Countries. U.S. Energy Information Administration (29 de agosto de 2009). Página visitada em 12-10-2009.
  214. Expresso MT (20 de abril de 2010). Estados Unidos é o maior produtor mundial de milho. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  215. Soybean Demand Continues to Drive Production. Worldwatch Institute (6 de novembro de 2007). Página visitada em 13-3-2008.
  216. New Release/Ultra Petroleum Corp.,. NYSE Euronext (3 de julho de 2007). Página visitada em 3-8-2007.
  217. Sony, LG, Wal-Mart among Most Extendible Brands. Cheskin (6 de junho de 2005). Página visitada em 19-6-2007.
  218. Employment Situation Summary. Bureau of Labor Statistics (2009-10-02). Página visitada em 2009-10-11.
  219. Fuller, Thomas (15 de junho de 2005). In the East, Many EU Work Rules Don't Apply. International Herald Tribune. Página visitada em 28-6-2007.
  220. Doing Business in the United States (2006). Banco Mundial. Página visitada em 28-6-2007.
  221. Dobbs, Lou (2 de novembro de 2003). The Perils of Productivity. U.S. News & World Report. Página visitada em 30-6-2007.
  222. Groningen Growth and Development Centre. Total Economic Database. University of Groningen (1 de junho de 2009). Página visitada em 21-11-2009.
  223. Gumbel, Peter. "Escape from Tax Hell", Time, 11 de julho de 2004. Página visitada em 28-6-2007.
  224. Hacker, Jacob S.. The Great Risk Shift: The New Economic Insecurity and the Decline of the American Dream. New York: Oxford University Press, 2006. ISBN 0195335341
  225. a b c (2005) "Public Policy: Economic Inequality and Poverty: The United States in Comparative Perspective". Social Science Quarterly 86: 955–983. DOI:10.1111/j.0038-4941.2005.00331.x.
  226. (1999) "Do Social-Welfare Policies Reduce Poverty? A Cross-National Assessment" Social Forces 77(3), 1119–1139. Bradley, D., E. Huber, S. Moller, F. Nielsen, and J. D. Stephens (2003). "Determinants of Relative Poverty in Advanced Capitalist Democracies". American Sociological Review 68 (1): 22–51.
  227. Fishback, Price V.. (May 2010). "Social Welfare Expenditures in the United States and the Nordic Countries: 1900–2003". NBER Working Paper series 15982.
  228. Orr, D. (November–December, 2004). "Social Security Isn't Broken: So Why the Rush to 'Fix' It?" In C. Sturr and R. Vasudevan, eds. (2007). Current Economic Issues. Boston: Economic Affairs Bureau.
  229. Starr, Paul (25 de fevereiro de 2008). A New Deal of Their Own. American Prospect. Página visitada em 24 de julho de 2008.
  230. UNICEF. "Child Poverty in Perspective: An Overview of Child Well-Being in Rich Countries", BBC. Página visitada em 10 de setembro de 2007.
  231. a b c Hartman, C. (2008). By the Numbers: Income. Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.[ligação inativa]
  232. Bartels, L. M. (2008). Unequal Democracy: The Political Economy of the New Gilded Age. Princeton, NJ: Princeton University Press, p. 20.
  233. Henderson, David R. (1998). The Rich—and Poor—Are Getting Richer. Hoover Digest. Página visitada em 21 de fevereiro de 2012.
  234. Yellen, J. (2006). Speech to the Center for the Study of Democracy 2006–2007 Economics of Governance Lecture University of California, Irvine. Federal Reserve Board. Página visitada em 2008-07-24.Shapiro, Isaac (17 de outubro de 2005). New IRS Data Show Income Inequality Is Again on the Rise. Center on Budget and Policy Priorities. Página visitada em 2007-05-16.
  235. Johnston, David Cay. "Income Gap Is Widening, Data Shows", New York Times, 29 de março de 2007. Página visitada em 16 de maio de 2007.
  236. Saez, E. (October 2007). Table A1: Top Fractiles Income Shares (Excluding Capital Gains) in the U.S., 1913–2005. UC Berkeley. Página visitada em 2008-07-24.Field Listing—Distribution of Family Income—Gini Index. The World Factbook. CIA (14 de junho de 2007). Página visitada em 17 de junho de 2007.
  237. Shares of Federal Tax Liabilities, 2004 and 2005. Congressional Budget Office. Página visitada em 2 de novembro de 2008.
  238. Domhoff, G. William (December 2006). Table 4: Percentage of Wealth Held by the Top 10% of the Adult Population in Various Western Countries. Power in America. University of California at Santa Cruz, Sociology Dept.. Página visitada em 21 de agosto de 2006.
  239. Kennickell, Arthur B. (2 de agosto de 2006). Table11a: Amounts (Billions of 2004 Dollars) and Shares of Net Worth and Components Distributed by Net Worth Groups, 2004. Currents and Undercurrents: Changes in the Distribution of Wealth, 1989–2004. Federal Reserve Board. Página visitada em 24 de junho de 2007.
  240. Rosenstone, Steven J. (17 de dezembro de 2009). Public Education for the Common Good. University of Minnesota. Página visitada em 6-3-2009.
  241. Ages for Compulsory School Attendance.... U.S. Dept. of Education, National Center for Education Statistics. Página visitada em 10-6-2007.
  242. Statistics About Non-Public Education in the United States. Departamento de Educação dos Estados Unidos, Escritório de Educação não-Pública. Página visitada em 5-6-2007.
  243. Educational Attainment in the United States: 2003. U.S. Census Bureau. Página visitada em 1-8-2006.
  244. For more detail on U.S. literacy, see A First Look at the Literacy of America’s Adults in the 21st century, U.S. Department of Education (2003).
  245. Human Development Indicators. Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, Relatórios de Desenvolvimento Humano (2005). Arquivado do original em 20-6-2007. Página visitada em 14-1-2008.
  246. Countries with Most Universities (em inglês). Aneki.com (2010). Página visitada em 17-11-2010.
  247. Countries with the Most University Students (em inglês). Aneki.com (2010). Página visitada em 17-11-2010.
  248. Academic Ranking of World Universities - 2010 (em inglês). ARWU.org. Página visitada em 17-11-2010.
  249. Ninguna universidad española entre las cien mejores del mundo (em espanhol). El Comercio.com (2010). Página visitada em 17-11-2010.
  250. CSIC (2010). Ranking Mundial de Universidades en la Web: Top 8000 Ranking Mundial (em espanhol). Web o Metrics.info. Página visitada em 17-11-2010.
  251. Administração Federal de Autoestradas (2006). Interstate FAQ (Question #3) (em inglês). FHWTA.dot.gov. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  252. Car Free Day 2006: Nearly One Car per Two Inhabitants in the EU25 in 2004. Europa, Eurostat Press Office (2006-09-19). Página visitada em 2007-08-15.
  253. Household, Individual, and Vehicle Characteristics. 2001 National Household Travel Survey. U.S. Dept. of Transportation, Bureau of Transportation Statistics. Página visitada em 2007-08-15.
  254. Daily Passenger Travel. 2001 National Household Travel Survey. U.S. Dept. of Transportation, Bureau of Transportation Statistics. Página visitada em 2007-08-15.
  255. Scheduled Passengers Carried (2008 data). International Air Transport Association (IATA). Página visitada em 2009-06-27.
  256. Passenger Traffic 2006 Final. Airports Council International (2007-07-18). Página visitada em 2007-08-15.
  257. Intercity Passenger Rail: National Policy and Strategies Needed to Maximize Public Benefits from Federal Expenditures. U.S. Government Accountability Office (2006-11-13). Página visitada em 2007-06-20.
  258. Renne, John L., and Jan S. Wells (2003). Emerging European-Style Planning in the United States: Transit-Oriented Development (p. 2) (PDF). Rutgers, The State University of New Jersey. Página visitada em 2007-06-11.
  259. Pucher, John, and Lewis Dijkstra (February 2000). Making Walking and Cycling Safer: Lessons from Europe. Transportation Quarterly. Transportation Alternatives. Página visitada em 2007-08-15.
  260. Benedetti, François (2003-12-17). 100 Years Ago, the Dream of Icarus Became Reality. Fédération Aéronautique Internationale (FAI). Página visitada em 2007-08-15.
  261. Research and Development (R&D) Expenditures by Source and Objective: 1970 to 2004. U.S. Census Bureau. Página visitada em 2007-06-19.
  262. MacLeod, Donald (2006-03-21). Britain Second in World Research Rankings. Guardian. Página visitada em 2006-05-14.
  263. Media Statistics > Televisions (per capita) by Country. NationMaster (December 2003).
  264. Media Statistics > Personal Computers (per capita) by Country. NationMaster (December 2003).
  265. Media Statistics > Radios (per capita) by Country. NationMaster (December 2003). Página visitada em 2007-06-03.
  266. Download 2007 Digital Fact Pack. Advertising Age (2007-04-23). Página visitada em 2007-06-10.
  267. ISAAA Brief 35-2006: Executive Summary—Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops: 2006. International Service for the Acquisition of Agri-Biotech Applications. Página visitada em 2007-06-19.
  268. a b BP Statistical Review of World Energy (XLS). British Petroleum (June June 2007). Página visitada em 2010-02-22.
  269. Departamento de Energia (2007). Diagram 1: Energy Flow, 2007 (em inglês). EIA Annual Energy Review 2007. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  270. CIA (2010). Rank Order—Oil (Consumption) (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  271. CIA (2007). Rank Order—Natural Gas (Consumption) (em inglês). The World Factbook. Página visitada em 27 de junho de 2010.
  272. Atomic Renaissance (em inglês). Economist.com (2008). Página visitada em 27 de junho de 2010.
  273. Health, United States, 2006. Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics (November 2006). Página visitada em 2007-08-15.
  274. Eberstadt, Nicholas, and Hans Groth (2007-04-19). Healthy Old Europe. International Herald Tribune. Página visitada em 2007-06-19.
  275. MacAskill, Ewen (2007-08-13). US Tumbles Down the World Ratings List for Life Expectancy. Guardian. Página visitada em 2007-08-15.
  276. Rank Order—Infant Mortality Rate. The World Factbook. CIA (2007-06-14). Página visitada em 2007-06-19.
  277. Prevalence of Overweight and Obesity Among Adults: United States, 2003–2004. Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics. Página visitada em 2007-06-05.
  278. Schlosser, Eric. Fast Food Nation. New York: Perennial, 2002. p. 240. ISBN 0060938455
  279. Fast Food, Central Nervous System Insulin Resistance, and Obesity. Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology. American Heart Association (2005). Página visitada em 2007-06-17.
  280. 2007 Facts & Figures. Texas Medical Center. Página visitada em 2008-11-07.
  281. Oficina de Relaciones Públicas del Texas Medical Center. Hechos y cifras (em espanhol). Tex Med Ctr.com. Página visitada em 28 de junho de 2010.
  282. Indicator: Births per 1000 women (15-19 ys) - 2002. Globalis. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  283. Strauss, Lilo T., et al. (2006-11-24). Abortion Surveillance—United States, 2003. MMWR. Centers for Disease Control, National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion, Division of Reproductive Health. Página visitada em 2007-06-17.
  284. OECD Health Data 2000: A Comparative Analysis of 29 Countries [CD-ROM] (OECD: Paris, 2000). Veja também The U.S. Healthcare System: The Best in the World or Just the Most Expensive?. University of Maine (2001). Página visitada em 2006-11-29.
  285. Groves, Trish. (February 2008). "Stronger European Medical Research". British Medical Journal 336 (7640): 341–342. DOI:10.1136/bmj.39489.505208.80. ISSN 0959-8138. PMID 18276671.
  286. Guy David (2005). The Convergence between For-Profit and Nonprofit Hospitals in the United States (PDF) (em inglês). AEA Web.org. Página visitada em 16 de novembro de 2010.
  287. Avery Comarow (2010). Best Hospitals 2010-11: The Honor Roll (em inglês). US News.com. Página visitada em 16 de novembro de 2010.
  288. Health, United States, 2006. Centers for Disease Control, National Center for Health Statistics. Página visitada em 2006-11-24.
  289. Poverty Remains Higher, and Median Income for Non-Elderly Is Lower, Than When Recession Hit Bottom: Poor Performance Unprecedented for Four-Year Recovery Period. Center for Budget and Policy Priorities (2006-09-01). Página visitada em 2007-06-24.
  290. Abelson, Reed. "Ranks of Underinsured Are Rising, Study Finds", New York Times, 2008-06-10. Página visitada em 2008-10-25. Blewett, Lynn A. et al.. (Dec 2006). "How Much Health Insurance Is Enough? Revisiting the Concept of Underinsurance". Medical Care Research and Review 63 (6): 663–700. DOI:10.1177/1077558706293634. ISSN 1077-5587. PMID 17099121.
  291. Park, Madison. "45,000 American Deaths Associated with Lack of Insurance", CNN, 2009-09-18. Página visitada em 2009-10-01.
  292. Fahrenthold, David A. (2006-04-05). Mass. Bill Requires Health Coverage. Washington Post. Página visitada em 2007-06-19.
  293. Reforma de saúde é aprovada pela Câmara (22 de Março de 2010). Página visitada em 11 de fevereiro de 2011.
  294. Reforma no sistema de saúde americano custará 940 bilhões de dólares (22 de Março de 2010). Página visitada em 11 de fevereiro de 2011.
  295. Thompson, William, and Joseph Hickey (2005). Society in Focus. Boston: Pearson. ISBN 0-205-41365-X.
  296. Fiorina, Morris P., and Paul E. Peterson (2000). The New American Democracy. London: Longman, p. 97. ISBN 0-321-07058-5.
  297. Holloway, Joseph E. (2005). Africanisms in American Culture, 2d ed. Bloomington: Indiana University Press, pp. 18–38. ISBN 0-253-34479-4.
  298. Johnson, Fern L. (1999). Speaking Culturally: Language Diversity in the United States. Thousand Oaks, Calif., London, and New Delhi: Sage, p. 116. ISBN 0-8039-5912-5.
  299. Individualism. Clearly Cultural. Página visitada em 2009-02-28.
  300. Gutfield, Amon. American Exceptionalism: The Effects of Plenty on the American Experience. Brighton and Portland: Sussex Academic Press, 2002. p. 65. ISBN 1903900085
  301. Zweig, Michael. What's Class Got To Do With It, American Society in the Twenty-First Century. Ithaca, NY: Cornell University Press, 2004. ISBN 0801488990
  302. Effects of Social Class and Interactive Setting on Maternal Speech. Education Resource Information Center. Página visitada em 2007-01-27.
  303. Ehrenreich, Barbara. Fear of Falling, The Inner Life of the Middle Class. New York: HarperCollins, 1989. ISBN 0060973331
  304. Eichar, Douglas. Occupation and Class Consciousness in America. Westport, CT: Greenwood Press, 1989. ISBN 0313261113
  305. O'Keefe, Kevin. The Average American. New York: PublicAffairs, 2005. ISBN 158648270X
  306. "Ever Higher Society, Ever Harder to Ascend: Whatever Happened to the Belief That Any American Could Get to the Top", Economist, 2004-12-29. Página visitada em 2006-08-21.
  307. Women's Advances in Education. Columbia University, Institute for Social and Economic Research and Policy (2006). Página visitada em 2007-06-06.[ligação inativa]
  308. Table 55—Marital Status of the Population by Sex, Race, and Hispanic Origin: 1990 to 2007. Statistical Abstract of the United States 2009. U.S. Census Bureau. Página visitada em 2009-10-11.
  309. DA REUTERS (4 de agosto de 2010). Saiba mais sobre casamento gay nos Estados Unidos. Folha.com. Página visitada em 14 de janeiro de 2011.
  310. a b Alyssa Hall (2010). Football Expands Lead Over Baseball as America's Favorite Sport (PDF) (em inglês). Harris Interactive.com. Página visitada em 28 de junho de 2010.
  311. a b Maccambridge, Michael. America's Game: The Epic Story of How Pro Football Captured a Nation. Nova Iorque: Random House (ed.), 2004. ISBN 0-375-50454-0
  312. Krane, David K. (2002-10-30). Professional Football Widens Its Lead Over Baseball as Nation's Favorite Sport. Harris Interactive. Página visitada em 2007-09-14. Maccambridge, Michael (2004). America's Game: The Epic Story of How Pro Football Captured a Nation. New York: Random House. ISBN 0-375-50454-0.
  313. http://www.census.gov/compendia/statab/2010/tables/10s1211.pdf
  314. http://www.census.gov/compendia/statab/2010/tables/10s1210.pdf
  315. All-Time Medal Standings, 1896–2004. Information Please. Página visitada em 2007-06-14.
  316. Distribution of Medals—2008 Summer Games. Fact Monster. Página visitada em 2008-09-02.
  317. All-Time Medal Standings, 1924–2006. Information Please. Página visitada em 2007-06-14. Noruega é a primeira, e a União Soviética, a terceira.
  318. Judith C. Rodriguez. Popular Culture, Food and (em inglês). faqs.org. Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  319. Northern Crops Institute. Major Crops of the U.S. Northern Plains (em inglês). Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  320. United States (em inglês). Answers.com. Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  321. Native American Food Ingredients (em inglês). Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  322. Dr. Karen Carr. Food of North America after 1500 (em inglês). Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  323. Sally Bernstein. Ethnic Cuisine: African American (em inglês). Página visitada em 12 de janeiro de 2011.
  324. usa.org. Cusine of the United States (em Inglês). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  325. a b Klapthor, James N. (2003-08-23). What, When, and Where Americans Eat in 2003. Institute of Food Technologists. Página visitada em 2007-06-19.
  326. Smith, Andrew F. (2004). The Oxford Encyclopedia of Food and Drink in America. New York: Oxford University Press, pp. 131–32. ISBN 0-19-515437-1. Levenstein, Harvey (2003). Revolution at the Table: The Transformation of the American Diet. Berkeley, Los Angeles, and London: University of California Press, pp. 154–55. ISBN 0-520-23439-1.
  327. Fast Food, Central Nervous System Insulin Resistance, and Obesity. Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology. American Heart Association (2005). Página visitada em 2007-06-09.
  328. Let's Eat Out: Americans Weigh Taste, Convenience, and Nutrition. U.S. Dept. of Agriculture. Página visitada em 2007-06-09.
  329. Village Voice: 100 Best Films of the 20th century (2001). Filmsite.org; Sight and Sound Top Ten Poll 2002. BFI. Retrieved on 2007-06-19.
  330. World Culture Report 2000 Calls for Preservation of Intangible Cultural Heritage. UNESCO (2000-11-17). Página visitada em 2007-09-14. Summary: Does Globalization Thwart Cultural Diversity?. World Bank Group. Arquivado do original em 2007-10-17. Página visitada em 2007-09-14.
  331. Media Statistics > Television Viewing by Country. NationMaster. Página visitada em 2007-06-03.
  332. Broadband and Media Consumption. eMarketer (2007-06-07). Página visitada em 2007-06-10.
  333. TV Fans Spill into Web Sites. eMarketer (2007-06-07). Página visitada em 2007-06-10.
  334. Top Sites in United States. Alexa (2010). Página visitada em 2010-03-27.
  335. Biddle, Julian (2001). What Was Hot!: Five Decades of Pop Culture in America. New York: Citadel, p. ix. ISBN 0-8065-2311-5.
  336. Bloom, Harold. 1999. Emily Dickinson. Broomall, PA: Chelsea House Publishers. p. 9. ISBN 0-7910-5106-4.
  337. Buell, Lawrence. (Spring/Summer 2008). "The Unkillable Dream of the Great American Novel: Moby-Dick as Test Case". American Literary History 20 (1–2): 132–155. DOI:10.1093/alh/ajn005. ISSN 0896-7148.
  338. Bauman Rare Books. All modern literature comes from one book by Mark Tawais (em Inglês). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  339. The New York Times (17 de fevereiro de 2008). Gatsby’s Green Light Beckons a New Set of Strivers (em Inglês). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  340. Meyers, Jeffrey (1999). Hemingway: A Biography. New York: Da Capo, p. 139. ISBN 0-306-80890-0.
  341. a b Margaret Reid. American Literature: Prose (em Inglês). englishonline.gznu. Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  342. a b David Boersema (21 de julho de 2005). American Philosophy (em Inglês). Internet Encyclopedia of Philosophy (IEP). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  343. Brown, Milton W. (1988 1963). The Story of the Armory Show. New York: Abbeville. ISBN 0-89659-795-4.
  344. a b c Ship Sand Cruises. Cultural Calendar (em Inglês). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  345. a b Cola da Web. Arte Contemporânea (em Português). Página visitada em 12 de fevereiro de 2011.
  346. Max Altman (27 de novembro de 2010). Hoje na História: 1953 - Morre Eugene Gladstone O'Neill, dramaturgo norte-americano. Opera Mundi. Página visitada em 27 de janeiro de 2011.
  347. Prêmio Pulitzer - Drama (em inglês). pulitzer.org. Página visitada em 28/01/2011.
  348. Daniels, Les. Superman: The Complete History. 1st ed. [S.l.]: Titan Books, 1998. p. 11. ISBN 1-85286-988-7
  349. U.S. Holidays Celebrations Popular Days (em inglês). Página visitada em 12 de janeiro de 2011.

Bibliografia

  • Biddle , Julian. What Was Hot!: Five Decades of Pop Culture in America (em inglês). [S.l.]: Citadel (ed.), 2001.
  • Blackburn , Robin. The Making of New World Slavery: From the Baroque to the Modern, 1492–1800 (em inglês). [S.l.]: Verso (ed.), 1998.
  • Bloom , Harold. Emily Dickinson (em inglês). [S.l.]: Chelsea House Publishers (ed.), 1999.
  • Daniels , Les. Superman: The Complete History (em inglês). 1ª ed. [S.l.]: Titan Books (ed.), 1998.
  • De Rosa , Marshall L. The Politics of Dissolution: The Quest for a National Identity and the American Civil War (em inglês). [S.l.]: Transaction (ed.), 1997.
  • Dicker , Susan J.. Languages in America: A Pluralist View (em inglês). [S.l.]: Multilingual Matters (ed.), 2003.
  • Dull , Jonathan R. Diplomacy of the Revolution, to 1783 (em inglês). [S.l.]: BlackwellJack P. Greene y J. R. Pole (ed.), 2003.
  • Paul E. Peterson Fiorina , Morris P.. The New American Democracy (em inglês). [S.l.]: Longman (ed.), 2000.
  • John A. Garraty Foner , Eric. The Reader's Companion to American History (em inglês). [S.l.]: Houghton Mifflin (ed.), 1991.
  • Gutfield , Amon. American Exceptionalism: The Effects of Plenty on the American Experience (em inglês). [S.l.]: Sussex Academic Press (ed.), 2002.
  • Levenstein , Harvey. Revolution at the Table: The Transformation of the American Diet (em inglês). [S.l.]: University of California Press (ed.), 2003.
  • Holloway , Joseph E. Africanisms in American Culture (em inglês). 2ª ed. [S.l.]: Indiana University Press (ed.), 2005.
  • Johnson , Fern L. Speaking Culturally: Language Diversity in the United States (em inglês). [S.l.]: Sage (ed.), 1999.
  • Kennedy , Paul. The Rise and Fall of the Great Powers (em inglês). [S.l.]: Vintage (ed.), 1989.
  • Gary Wayne Piggrem y Steven E. Woodworth McDuffie , Jerome. U.S. History Super Review (em inglês). [S.l.]: Research & Education Association (ed.), 2005.
  • Meyers , Jeffrey. Hemingway: A Biography (em inglês). [S.l.]: Da Capo (ed.), 1999.
  • Morrison , Michael A. Slavery and the American West: The Eclipse of Manifest Destiny and the Coming of the Civil War (em inglês). [S.l.]: University of North Carolina Press (ed.), 1999.
  • Raskin , James B. Overruling Democracy: The Supreme Court Vs. the American People (em inglês s). [S.l.]: Routledge (ed.), 2003.
  • Russell , David Lee. The American Revolution in the Southern Colonies (em inglês). [S.l.]: McFarland (ed.), 2005.
  • John M. Scheb II Scheb , John M. An Introduction to the American Legal System (em inglês). [S.l.]: Delmar (ed.), 2002.

Schlosser , Eric. Fast Food Nation (em inglês). [S.l.]: Perennial (ed.), 2002.

  • Smith , Andrew F. The Oxford Encyclopedia of Food and Drink in America (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press (ed.), 2004.
  • Jesse Czelusta Wright , Gavin. Natural Resources: Neither Curse Nor Destiny (em inglês). [S.l.]: World Bank PressDaniel Lederman y William Maloney (ed.), 2007.

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Este é um artigo destacado. Clique aqui para mais informações

   
               

 

All translations of estados unidos


sensagent's content

  • definitions
  • synonyms
  • antonyms
  • encyclopedia

  • definiçaõ
  • sinónimo

Dictionary and translator for handheld

⇨ New : sensagent is now available on your handheld

   Advertising ▼

sensagent's office

Shortkey or widget. Free.

Windows Shortkey: sensagent. Free.

Vista Widget : sensagent. Free.

Webmaster Solution

Alexandria

A windows (pop-into) of information (full-content of Sensagent) triggered by double-clicking any word on your webpage. Give contextual explanation and translation from your sites !

Try here  or   get the code

SensagentBox

With a SensagentBox, visitors to your site can access reliable information on over 5 million pages provided by Sensagent.com. Choose the design that fits your site.

Business solution

Improve your site content

Add new content to your site from Sensagent by XML.

Crawl products or adds

Get XML access to reach the best products.

Index images and define metadata

Get XML access to fix the meaning of your metadata.


Please, email us to describe your idea.

WordGame

The English word games are:
○   Anagrams
○   Wildcard, crossword
○   Lettris
○   Boggle.

Lettris

Lettris is a curious tetris-clone game where all the bricks have the same square shape but different content. Each square carries a letter. To make squares disappear and save space for other squares you have to assemble English words (left, right, up, down) from the falling squares.

boggle

Boggle gives you 3 minutes to find as many words (3 letters or more) as you can in a grid of 16 letters. You can also try the grid of 16 letters. Letters must be adjacent and longer words score better. See if you can get into the grid Hall of Fame !

English dictionary
Main references

Most English definitions are provided by WordNet .
English thesaurus is mainly derived from The Integral Dictionary (TID).
English Encyclopedia is licensed by Wikipedia (GNU).

Copyrights

The wordgames anagrams, crossword, Lettris and Boggle are provided by Memodata.
The web service Alexandria is granted from Memodata for the Ebay search.
The SensagentBox are offered by sensAgent.

Translation

Change the target language to find translations.
Tips: browse the semantic fields (see From ideas to words) in two languages to learn more.

last searches on the dictionary :

5145 online visitors

computed in 0.312s

   Advertising ▼

I would like to report:
section :
a spelling or a grammatical mistake
an offensive content(racist, pornographic, injurious, etc.)
a copyright violation
an error
a missing statement
other
please precise:

Advertize

Partnership

Company informations

My account

login

registration

   Advertising ▼